WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

FJS

prefeitura de pocoes


abril 2024
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  


cobra produtora marcus solla acougues angelica

:: ‘Política’

Lula minimiza apoio de Zema a Bolsonaro e diz que ‘povo’ não é ‘gado’

Lula minimiza apoio de Zema a Bolsonaro e diz que 'povo' não é 'gado'

Foto: Divulgação/Ricardo Stuckert

O ex-presidente e candidato ao Planalto Luiz Inácio Lula da Silva (PT) minimizou o apoio do governador reeleito de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), ao presidente Jair Bolsonaro (PL) para o segundo turno a ser disputado entre os dois. Em entrevista coletiva antes de caminhada realizada pelo petista em Belo Horizonte, capital mineira, Lula afirmou que Zema tem liberdade de apoiar quem ele quiser, mas que o “povo” não é “gado”.
“Primeiro, o governador Zema tem liberdade de apoiar quem ele quiser. Não me oporei, nem pensava que fosse diferente [ele não apoiar Bolsonaro]. A única coisa que ele tem que levar em conta é [se ele] pensar que o povo é gado, que o povo pode ser levado prá lá e pra cá. O povo tem consciência”, disse.
Ele também prometeu terminar o Hospital Geral de Divinópolis, ressaltando os feitos dos governos petistas. “Se Zema fizer mais de 10% do que fizemos aqui em Minas, ele terá remorso. Ele precisa ver quantas casas populares foram feitas aqui em Minas até 2016”, afirmou o ex-presidente.
O governador mineiro anunciou, na última terça-feira (4), o apoio à reeleição de Bolsonaro. O mandatário afirmou que a ajuda é “essencial” e “decisiva” para vencer as eleições.
Zema, por sua vez, disse que tem divergências com o chefe do Executivo, mas que neste segundo turno das eleições é importante deixar as diferenças de lado para evitar uma vitória do ex-presidente petista.
Na entrevista, Lula também disse que não ganhou no primeiro turno porque uma parcela da população não quis, e relembrou os pleitos de 2002 e 2006, dizendo que nunca venceu uma eleição na primeira etapa. Ademais, reiterou que aceitará o resultado das eleições independentemente de qual for.
“Agora, os votos estão definidos. Quem é Cruzeiro, é cruzeiro e quem é Atlético, é Atlético. Agora não tem choro nem vela, quem tiver mais voto ganha. Gostaria de ter convencido mais gente a votar em mim, mas o resultado será acatado. Por mim não tenham dúvida. Quem ganhar, e espero que seja eu, tenha direito de sorrir, e quem perder, tenha direito de chorar.”
Lula também reagiu à decisão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que obrigou a retirada de conteúdos que envolvem Bolsonaro a práticas canibalistas, com base em entrevista dada pelo então deputado ao jornal americano The New York Times em 2016.
“Justiça pediu para tirar coisa nossa que não é fake news. É o presidente falando em entrevista. Ele pensa assim. Se puder, ele come índio”, declarou.
Semanas antes do primeiro encontro do eleitor com as urnas, Zema disse ter recusado proposta de aliança com Bolsonaro, mas questionado sobre um possível apoio no segundo turno, afirmou que “apoiar o PT te adianto que não apoiarei”.
Porém, Zema também declarou achar natural um voto combinado entre ele e Lula, chamado de “Luzema”. “O eleitor é pragmático. Ele vota onde percebe que há melhores perspectivas e tivemos no passado uma coincidência durante o governo do presidente Lula de uma série de fatores no mundo”, disse.

Lula e Bolsonaro confirmam presença em primeiro debate do 2ª turno

Lula e Bolsonaro confirmam presença em primeiro debate do 2ª turno

Fotos: Ricardo Stuckert e Marcos Corrêa / Divulgação

Os candidatos à Presidência da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL) confirmaram presença no debate presidencial organizado por Folha de S.Paulo, UOL, TV Bandeirantes e TV Cultura, o primeiro do 2ª turno das eleições. O evento será no dia 16 de outubro, um domingo, às 20h.
Na próxima terça (11), haverá uma reunião com as campanhas de Lula e Bolsonaro para definir as regras do debate.
Em agosto, o mesmo pool de veículos promoveu o primeiro debate entre os presidenciáveis do primeiro turno, que contou com a presença de Lula, Bolsonaro e outros quatro candidatos.
O segundo turno da eleição será realizado no próximo dia 30.
No último domingo (2), o petista recebeu 48,4% dos votos válidos, ante 43,2% do presidente.

Aliado de Rodrigo Pacheco diz que presidente do Senado votará em Lula no 2º turno

Aliado de Rodrigo Pacheco diz que presidente do Senado votará em Lula no 2º turno

Foto: Roque de Sá / Agência Senado

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), tem silenciado sobre seu voto para presidente da República. Mas um de seus principais aliados mostra não ter dúvidas sobre a escolha do parlamentar: ele votará em Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

 

De acordo com o jornal O Globo, nesta quinta-feira (6), em um ato ao lado de Lula e demais membros do PSD, como o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, que declarou apoio ao petista, o senador Alexandre Silveira (PSD-MG), que é aliado de primeira hora de Pacheco, disse, em discurso, que o presidente do Senado é eleitor do petista.

 

“Tenho absoluta convicção que também [Pacheco] é eleitor do senhor e que vai defender o nome do senhor para poder governar o Brasil”, afirmou Silveira.

 

O perfil conciliador e a defesa que Pacheco tem feito da democracia à frente do Senado são destacados por petistas, que indicam apoiar sua reeleição para a Presidência da Casa. Segundo interlocutores de Pacheco, no encontro de quinta-feira, Lula teria sinalizado que vê Pacheco como um nome capaz de manter a estabilidade do Congresso, independentemente do resultado das eleições presidenciais

Bolsa fecha em alta após apoio a Lula de economistas do Plano Real

Bolsa fecha em alta após apoio a Lula de economistas do Plano Real

Foto: Rovena Rosa / Agência Brasil

A Bolsa de Valores fechou com ligeira alta nesta quinta-feira (6) após ter atingido as máximas do dia pela manhã, quando circulou a notícia de uma manifestação de economistas ligados à criação do Plano Real a favor da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).
O índice Ibovespa, referência da Bolsa brasileira, subiu 0,31%, aos 117.560 pontos, apesar do contexto internacional pouco favorável, com os principais indicadores do mercado global em baixa.
Perto das 11h, o Ibovespa alcançou a maior patamar da sessão, subindo aos 118.382 pontos.
Os economistas Edmar Bacha, um dos pais do Plano Real, e Pedro Malan, ex-ministro da Fazenda de Fernando Henrique Cardoso, divulgaram nota nesta quinta declarando que vão votar em Lula no segundo turno da eleição presidencial.
Os economistas Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central, e Persio Arida, outro economista que participou da formulação do Real, já haviam anunciado essa opção, mas também assinam a nota.
Os quatro afirmam que a expectativa é que o candidato do PT tenha uma condução responsável na economia.
Analistas já tinham sinalizado a expectativa de que o resultado apertado do primeiro turno, com o presidente Jair Bolsonaro (PL) tendo alcançado uma votação acima da esperada, obrigaria a candidatura petista a dialogar com nomes alinhados ao capital. A manifestação de pesos-pesados da economia nacional nesta quinta reforçou essa narrativa.
“O mercado está gostando desse apoio do pessoal que participou do Plano Real ao Lula”, afirmou Luiz Carlos Corrêa, sócio da Nexgen Capital. “Isso mostra que o Lula está saindo um pouco da esquerda e indo mais ao centro”, comentou.
Ilan Arbetman, analista de pesquisa da Ativa Investimentos, disse que não houve um catalisador claro sobre o mercado nesta quinta, mas considerando que o exterior recuou mesmo com a divulgação de que aumentaram os pedidos de seguro-desemprego nos Estados Unidos —esse dado costuma ser lido como um sinal de redução da pressão inflacionária e potencialmente favorável às ações—, a corrida eleitoral é o que melhor explica o desempenho da Bolsa no Brasil.
Para Arbetman, o mercado enxerga “um prolongamento do recado das urnas, que elegeram mais governadores, senadores e deputados de direita”, disse. Isso cria a expectativa de que Lula, caso seja eleito, poderá “ir mais para o centro” ou “ao menos abrir um diálogo com a direita”, comentou.
O mercado de ações do Brasil avança quase 7% nesta semana, refletindo em grande parte esse otimismo de investidores com os possíveis efeitos da disputa mais acirrada entre Bolsonaro e Lula no segundo turno.
“O PT percebeu agora que vai precisar adotar uma política de mais responsabilidade fiscal e caminhar mais para o centro”, opinou Rodrigo Cohen, analista da Escola de Investimentos. “Essa sinalização é positiva para o Ibovespa.”
Cohen ainda ressaltou que a notícia entendida como favorável à candidatura do ex-presidente colaborou com altas de ações de empresas do ramo educacional, como Cogna e Yduqs, que subiram 6,85% e 4,98%, respectivamente. “Sabemos que o setor de educação seria um dos principais beneficiados em um governo de Lula.”
DÓLAR SOBE DIANTE DO TEMOR DE MAIS INFLAÇÃO APÓS CORTE DO PETRÓLEO
O bom humor momentâneo do mercado acionário local não foi suficiente, porém, para barrar a alta do dólar, cuja cotação avançou contra as principais divisas mundiais diante da preocupação com o impacto na inflação do corte da produção de petróleo anunciado na véspera.
No câmbio do Brasil, o dólar comercial à vista subiu 0,44%, cotado a R$ 5,21 na venda.
A moeda americana avançou contra os principais pares nesta quinta, revelando a preocupação com a ameaça de reforço da inflação após o anúncio de uma expressiva redução da produção de petróleo por parte do cartel de países produtores e seus aliados, conhecido pela sigla Opep+.
O volume de corte anunciado nesta quarta (5), na ordem de 2 milhões de barris por dia, surpreendeu o mercado, que esperava a metade disso. Essa redução na produção será a maior desde o início da pandemia de Covid-19, em março de 2020.
No encerramento da tarde desta quinta-feira, o barril do petróleo Brent subia 1,69%, cotado a US$ 94,95 (R$ 493,75). O preço da matéria-prima já avançou 7% nesta semana.
Restringir a oferta é a estratégia da Opep para elevar os preços, que caíram mais de 20% no terceiro trimestre devido ao aumento da percepção de que o cenário internacional de alta dos juros para frear a inflação poderá trazer severo prejuízo para o crescimento da economia mundial.
Ações de empresas ligadas à mercadoria foram beneficiadas pela escalada no preço. No Brasil, os papéis mais negociados da Petrobras fecharam em alta de 3,41%.
De modo geral, porém, os mercados acionários estão reagindo mal à retomada da alta dos custos da energia, um dos principais motivos desde o início da Guerra da Ucrânia, em fevereiro, para a crise inflacionária que está forçando bancos centrais a elevarem suas taxas de juros.
Em Wall Street, os principais índices recuaram nesta quinta pelo segundo dia consecutivo. O S&P 500, parâmetro da Bolsa de Nova York, caiu 1,02%. Dow Jones e Nasdaq perderam 1,15% e 0,68%, respectivamente.
A necessidade de aumento exagerado do preço do crédito é temida por investidores porque poderá impor uma forte desaceleração da economia mundial, cujos efeitos seriam a queda generalizada dos investimentos em empresas e, consequentemente, aumento do desemprego.

Perspectiva de poder de Jerônimo seduz mais do que ACM Neto no 2º turno

Perspectiva de poder de Jerônimo seduz mais do que ACM Neto no 2º turno

Foto: Divulgação

Passado o primeiro turno das eleições de 2022, começam a ficar implícitos os comportamentos daqueles que trabalham, a cada dois anos, com a perspectiva de poder. Isso acontece tanto no plano nacional, quando no plano estadual e pode ser exemplificado pelas idas e vindas de partidos e políticos de um barco para outro, a depender de como os ventos sopram. Se entre Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL) esses ventos também sugerem planejamento de longo prazo, já de olho em 2026, no caso da corrida pelo governo da Bahia eles dificultam qualquer esforço de ACM Neto (União) para reverter o quadro, agora completamente favorável a Jerônimo Rodrigues (PT). Porém sobram analistas sobre a corrida do Planalto, então tracemos o recorte baiano.

 

O ex-prefeito de Salvador liderou as intenções de voto na maioria das pesquisas realizadas antes do primeiro turno. Ancorados nesses números, diversos prefeitos, candidatos e/ ou lideranças políticas enxergavam em ACM Neto uma perspectiva real de poder. Então, houve o movimento de aproximação desses grupos, que tinham uma perspectiva fisiológica, mas que imaginavam que o ciclo do PT na Bahia estaria prestes a acabar. O resultado disso pode ser visto com a robusta aliança obtida pelo candidato do União Brasil na construção do primeiro turno. E foi uma aposta que, ao abrir das urnas, mostrou-se equivocada. O ex-gestor da capital foi ultrapassado por Jerônimo e, por muito pouco, não se viu derrotado na primeira etapa.

 

Agora, sob uma nova perspectiva, vê-se um movimento no sentido contrário. Lideranças que antes estavam com ACM Neto começam a migrar o apoio para a candidatura de Jerônimo sem qualquer tipo de constrangimento. É algo típico da política, decerto, mas algo que precisa ser evidenciado também. Aos poucos, ex-aliados iniciam conversas ao pé do ouvido – ou nem tanto -para aderir novamente ao petismo na Bahia e o ex-prefeito se vê mais isolado e sem muitos caminhos para driblar esse cerco. Ao PT e a Jerônimo cabem aceitar de bom grado, pois expõe a fragilidade do adversário e esfacela as chances, já pequenas, de uma mudança na posição que as urnas deixaram os dois candidatos que disputam o segundo turno.

 

ACM Neto já não tem a mesma perspectiva de chegar ao poder como tinha antes das urnas. Jerônimo, por outro lado, rascunha a vitória sem tantos sobressaltos, bastando apenas não cometer os erros que o adversário cometeu ao longo da campanha no primeiro turno. A partir dessa expectativa de vitória, os políticos vão migrar, acompanhando as ondas da cena local. Ou o ex-prefeito consegue mudar para onde sopram os ventos ou ficará a ver navios.

Na Bahia petista, PSD e Otto foram os grandes vencedores do primeiro turno de 2022

Na Bahia petista, PSD e Otto foram os grandes vencedores do primeiro turno de 2022

Foto: André Carvalho/ Ag. Haack/ Bahia Notícias

Nem PT, que ficou em primeiro com Jerônimo Rodrigues pelo governo da Bahia, nem União Brasil, com o fundão eleitoral e a campanha de ACM Neto (União), podem ser considerados vitoriosos na corrida pelas vagas proporcionais baianas. O título cabe ao PSD e ao poderio de Otto Alencar, senador reeleito e que não teve a supremacia ameaçada em momento algum da campanha. Os socialdemocratas garantiram seis cadeiras na Câmara dos Deputados e nove na Assembleia Legislativa da Bahia – não são as maiores bancadas, mas foram os candidatos com votação mais expressiva nominalmente.

 

O “coronel” Otto sempre foi um fator importante na disputa eleitoral baiana. Tanto que, ainda que o governador Rui Costa (PT) tenha tentado articular uma candidatura ao Senado, a prevalência da reeleição do presidente do PSD nunca foi colocada em dúvida. Era Otto a escolher se seria ou não candidato ao governo, e o resultado da novela foi a escolha do desconhecido Jerônimo para o Palácio de Ondina. Ex-governador, ele estava na aposentadoria política no Tribunal de Contas dos Municípios quando foi instado a ser vice de Jaques Wagner em 2010. Desde então, sempre foi fiel ao grupo e decisivo como ficou evidente nas urnas.

 

No passado recente da Bahia, o governador puxava votos para senador. Em 2022, o cenário que se viu foi diferente. Descolado de Jerônimo, Otto mais transferiu votos ao candidato ao governo do que o sentido contrário. Por mais que a lealdade nunca tenha sido posta a prova, o senador preferiu não depender exclusivamente do esforço do petismo e se manteve equidistante de ataques ao adversário, enquanto capitaneava votos para si e para o aliado. Agora colhe os louros dessa estratégia, que se mostrou acertada.

 

O PSD teve quatro dos cinco deputados mais bem votados pela Bahia para a Câmara. No caso da Assembleia, a hegemonia foi maior: os três melhores colocados são do partido. E com chapas proporcionais menores que a de adversários, ou seja, não precisou construir tantas candidaturas escada para lograr êxito nas urnas. É uma estratégia autocentrada, mas que conseguiu garantir as cadeiras desejadas – os únicos que talvez tenham ficado frustrados foram Charles Fernandes e Jusmari Oliveira, que não conseguiram reeleição.

 

Agora, no segundo turno, caso a “tropa” do PSD se mantenha no campo, Jerônimo vai permanecer em débito com o partido, que já ensaia cobrar espaços. A sinalização de que quer continuar com a presidência da Assembleia é apenas a ponta visível desse iceberg. A fatura não é barata, mas vale a pena ser paga. E olha que sequer entramos no mérito do peso de Otto ter anunciado que uma ala do PSD vai apoiar Luiz Inácio Lula da Silva no segundo turno das eleições.

Prefeitos já se preparam para abandonar ACM Neto

Foto: Raphael Muller / Ag. A TARDE

 

Acabam de sair informações de fontes próximas ao ex-prefeito de Salvador ACM Neto que concorre ao governo do estado, que desde cedo desta segunda-feira, o seu núcleo de campanha tentar acalmar os prefeitos que lhe deram apoio até ontem.

A tensão central é de que muitos prefeitos estão magoados e se sentindo traídos por aderirem ao carlista por apresentar pesquisas falsas que lhe davam vitória já no primeiro turno, o que fez muitos acreditarem dando apoio ao candidato do União Brasil e acabaram se decepcionando com as informações passadas, quando na verdade o seu adversário petista não o venceu por pouco menos de um ponto percentual.

Segundo estas fontes, muitos prefeitos já estão dialogando com lideranças ligadas à Jerônimo do PT para apoiá-lo neste segundo turno, provocando uma debandada da base do ex-prefeito Neto.

Também, muitos deputados eleitos, reeleitos e candidatos derrotados que estavam com ACM Neto até ontem, hoje já fizeram contato com o próprio governador Rui Costa garantindo adesão à candidatura de Jerônimo, principalmente nos municípios em que Lula venceu. Dos 417 municípios baianos, Lula venceu em 415 e Bolsonaro em 02.

Vale ressaltar que o candidato ao governo da Bahia, Jerônimo Rodrigues (PT), venceu em 351 dos 417 municípios baianos (84,17%) contra o concorrente ACM Neto (União Brasil), no primeiro turno das eleições 2022. Os dois disputam o segundo turno no dia 30 de outubro.

Jerônimo Rodrigues(PT) não venceu já no primeiro turno por pouquíssimos votos, contrariando mais uma vez as pesquisas divulgadas pelos meios de comunicação da própria familia do candidato ACM Neto.

Dayane, Nilo, Josias e Kannário fracassam na tentativa de reeleição para Câmara; confira derrotados No total, 11 políticos não se reelegeram a deputado federal pela Bahia

Dayane, Nilo, Josias e Kannário fracassam na tentativa de reeleição para Câmara; confira derrotados

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Por: Adele Robichez no dia 03 de outubro de 2022 às 14:02

Nas eleições deste domingo (2), 11 deputados federais não foram reeleitos na Bahia. Os candidatos que mais perderam votos em relação a 2018 foram Dayane Pimentel (UNIÃO), Marcelo Nilo (Republicanos) e Igor Kannário (UNIÃO).

A candidata Dayane obteve, este ano, 29.979 votos. Ou seja, 106.763 a menos do que os 136.742 recebidos em 2018. Já Nilo perdeu o apoio de 49.914 eleitores, obtendo nestas eleições 65.363 votos. Já Kannário ficou com 20.514 votos — uma diminuição de 34.344 em comparação há quatro anos.

No total, sete foram os políticos do estado que concorreram à Câmara e não foram reeleitos. Além de Dayane, Nilo e Kannário, o ex-secretário do governador Rui Costa, Josias Gomes (PT), também perdeu eleitores: foi de 115.571 para 90.131. Em 2018, ele havia sido reeleito.

Em contrapartida, Uldurico Junior (MDB) — reeleito na eleição passada, Tito (Avante) e Charles Fernandes (PSD) receberam mais votos este ano. Os resultados, no entanto, não foram suficientes para garantir a reeleição.

Os políticos João Roma (PL) e Cacá Leão (PP) se candidadatam aos cargos de governador do estado e senador, respectivamente, por isso não concorreram à reeleição na Câmara. Ambos perderam a eleição dos cargos que disputaram em 2022.

Ronaldo Carletto (Progressistas) esteve nestas eleições como candidato a suplente de Cacá Leão pelo Senado. O seu sobrinho, Neto Carletto, foi eleito deputado.

Em uma situação semelhante, José Nunes (PSD) se absteve do processo para apoiar o seu filho Gabriel Nunes (PSD) — eleito no congresso.

Confira os candidatos à Câmara que não foram reeleitos na Bahia:

  • Dayane Pimentel (UNIÃO) – 29.979 votos
  • Marcelo Nilo (Republicanos) – 65.363 votos
  • Uldurico Junior (MDB) – 69.087 votos
  • Igor Kannário (UNIÃO) – 20.514 votos
  • Tito (Avante) – 49.571 votos
  • Charles Fernandes (PSD) – 99.815 votos
  • Josias Gomes (PT)- 90.131 votos

Candidatos a outros cargos:

  • João Roma (PL) – perdeu nas eleições para governador do estado
  • Cacá Leão (PP) – perdeu nas eleições para senador
  • José Nunes (PSD) – apoiou filho, eleito a deputado federal
  • Ronaldo Carletto (Progressistas) – apoiou sobrinho, eleito a deputado federal

Em ato com Jerônimo, Lula fará caminhada em Salvador na próxima sexta; saiba mais

Em ato com Jerônimo, Lula fará caminhada em Salvador na próxima sexta; saiba maisFoto: Divulgação

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) virá à Bahia, nesta sexta-feira (30). Lula fará uma caminhada ao lado do candidato petista ao governo da Bahia, Jerônimo Rodrigues, que partirá do Largo de Roma até a Colina Sagrada, às 11h. A informação foi divulgada pela comunicação do PT no estado.

 

Denominada “Caminhada da Esperança”, o ato substituirá um comício que era pretendido pela cúpula do partido no estado, porém, em razão da lei eleitoral, o evento não poderia ocorrer. “Pra consagrar a virada e a vitória, ele vem aí”, disse Jerônimo. 

 

Recentemente, apesar de afirmar que o desembarque de Lula na Bahia seria improvável, o senador Jaques Wagner (PT) preferiu não cravar uma posição sobre o tema. Wagner sinalizou que ainda tentava articular a vinda do ex-presidente, antes do desfecho

Quaest: Lula tem 50,5% dos votos válidos contra 36,3% de Bolsonaro

Quaest: Lula tem 50,5% dos votos válidos contra 36,3% de Bolsonaro

Foto: Divulgação

Pesquisa Genial/Quaest divulgada nesta quarta (28) mostra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) com 50,5% das intenções de votos válidos na corrida presidencial, contra 36,3% de Jair Bolsonaro (PL). Com este número, o petista seria eleito no primeiro turno.
Nos votos totais, Lula tem 46%, oscilação positiva de dois pontos em relação à pesquisa da semana passada. Bolsonaro oscilou um ponto para baixo e foi para 33%. Ciro Gomes (PDT) manteve os 6%, assim como Simone Tebet (MDB) com 5%. Soraia Thronicke (União Brasil) continua com 1%.
O número de indecisos é de 5% nessa nova rodada, enquanto brancos ou nulos somam 4%. Os demais candidatos não pontuaram na pesquisa, que é financiada pela corretora de investimentos digital Genial Investimentos, controlada pelo banco Genial. A margem de erro é de dois pontos, para mais ou para menos.
Votos totais Lula (PT) – 46% (tinha 44%) Bolsonaro (PL) – 33% (tinha 34%) Ciro Gomes (PDT) – 6% (tinha 6%) Simone Tebet (MDB) – 5% (tinha 5%) Soraia Thronicke (União Brasil) – 1% (tinha 1%) Indecisos – 5% (eram 5%) Branco/nulo – 4% (eram 5%) A sondagem da Quaest, empresa de consultoria e pesquisa, ouviu 2.000 pessoas com mais de 16 anos nos domicílios de sábado (24) até a noite desta terça (27). O número do registro na Justiça Eleitoral é BR-04371/2022.
Na simulação de segundo turno, Lula registra 52% das intenções de voto, variando dois pontos percentuais para cima em relação à rodada anterior (50%). Já Bolsonaro oscilou negativamente de 40% para 38% no período.
Entre os entrevistados da Genial/Quaest, 79% estão decididos sobre os seus votos, enquanto 20% ainda podem mudar. Para Lula ganhar já no primeiro turno, 24% dizem que trocariam de candidato (eram 26% há uma semana); 66% não topariam a manobra (eram 64%).
O levantamento mostra ainda que a avaliação negativa do governo continua a subir e foi de 39% para 42%. A avaliação positiva mantém os 31%.
Bolsonaro segue como o mais rejeitado. Entre os entrevistados, 55% dizem que não votariam no presidente de jeito nenhum. Ciro é o segundo com 53% seguido por Lula, com 44%



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia