WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

FJS

prefeitura de pocoes


abril 2024
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  


cobra produtora marcus solla acougues angelica

:: ‘Política’

Pesquisa Ipec: Lula vai de 46% para 47% e Bolsonaro se mantém em 31%

atualizado 19/09/2022 21:34

Lula e Bolsonaro em arte com fundo vermelho e azulYanka Romão/Metrópoles
Pesquisa divulgada pelo Instituto Ipec nesta segunda-feira (19/9) mostra que Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem 47% das intenções de voto no primeiro turno das eleições, contra 31% de Jair Bolsonaro (PL).

O resultado do levantamento representa uma estabilidade entre os dois primeiros colocados em relação à última sondagem, divulgada em 12 de setembro. Antes, Lula aparecia com 46%, enquanto Bolsonaro tinha 31%.

Veja os resultados da pesquisa estimulada do 1° turno:

  • Lula (PT): 47% (46% na pesquisa anterior, de 9 de setembro)
  • Jair Bolsonaro (PL): 31% (31% na pesquisa anterior)
  • Ciro Gomes (PDT): 7% (7% na pesquisa anterior)
  • Simone Tebet (MDB): 5% (4% na pesquisa anterior)
  • Soraya Thronicke (União Brasil): 1% (1% na pesquisa anterior)
  • Felipe d’Avila (Novo): 0% (1% na pesquisa anterior)
    Vera (PSTU): 0% (0% na pesquisa anterior)
  • Constituinte Eymael (DC): 0% (0% na pesquisa anterior)
  • Léo Péricles (UP): 0% (0% na pesquisa anterior)
  • Padre Kelmon (PTB): 0% (não estava na pesquisa anterior)
  • Sofia Manzano (PCB): 0% (0% na pesquisa anterior)
  • Branco/nulo: 5% (6% na pesquisa anterior)
  • Não sabe/não respondeu: 4% (4% na pesquisa anterior)

O Ipec ouviu 3.008 pessoas, entre 17 e 18 de setembro, em 181 cidades brasileiras. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. O levantamento está registrado no TSE com o número BR-00073/2022.

Espontânea

Na pesquisa espontânea, em que não são apresentados nomes de candidatos, Lula tem 45% das intenções de voto. Bolsonaro, por sua vez, tem 29%. Veja:

  • Lula (PT): 45% (44% na pesquisa anterior, em 9 de setembro)
  • Bolsonaro (PL): 29% (30% na pesquisa anterior)
  • Ciro (PDT): 5% (4% na pesquisa anterior)
  • Tebet (MDB): 3% (2% na pesquisa anterior)
  • d’Avila (Novo): 0% (0% na pesquisa anterior)
  • Thronicke (União Brasil): 0% (0% na pesquisa anterior)
  • Constituinte Eymael (DC): 0% (0% na pesquisa anterior)
  • Sofia Manzano (PCB): 0% (0% na pesquisa anterior)
  • Léo Péricles (UP): 0% (não foi citado na pesquisa anterior)
  • Padre Kelmon (PTB): 0% (não foi citado na pesquisa anterior)
  • Vera (PSTU): não foi citada nesta pesquisa nem na anterior
  • Branco/nulo: 7% (7% na pesquisa anterior)
  • Não sabe/não respondeu: 11% (12% na pesquisa anterior)

2º turno

A pesquisa também apontou que Lula venceria Bolsonaro em eventual segundo turno.

Lula (PT): 54% (53% na pesquisa anterior, de 9 de setembro)
Bolsonaro (PL): 35% (36% na pesquisa anterior)

Votos válidos

O levantamento do Ipec ainda mostra que Lula lidera a disputa pelos votos válidos, que excluem os votos em branco e os nulos.

  • Lula (PT): 52% (51% na pesquisa anterior, de 9 de setembro)
  • Bolsonaro (PL): 34% (35% na pesquisa anterior)
  • Ciro (PDT): 7% (8% na pesquisa anterior)
  • Tebet (MDB): 5% (4% na pesquisa anterior)
  • Thronicke (União Brasil): 1% (1% na pesquisa anterior)

Presidente do Senado reúne líderes para viabilizar piso da enfermagem Projetos criam alternativas na esfera pública e privada para pagamento

Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa ordinária semipresencial destinada à deliberação de medidas provisórias.

Na ordem do dia, a MP 1.109/2022 que institui relações trabalhistas alternativas e o Programa Emergencial deEm reunião com líderes do Senado na manhã desta segunda-feira (19), o presidente da Casa, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG) apresentou quatro projetos selecionados para tentar viabilizar o piso da enfermagem. A medida – que garantiria o pagamento de ao menos R$ 4.750 para enfermeiros, R$ 3.325 para técnicos de enfermagem e R$ 2.375 para auxiliares de enfermagem e parteiras – foi aprovada pelo Congresso e sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas foi suspensa pelo Supremo Tribunal Federal (STF) sob o argumento que os congressistas não apontaram a fonte de recursos para custear os gastos.

Os senadores estimam que o impacto financeiro do aumento salarial será de, no máximo, de R$ 16 bilhões para os cofres públicos. Entre os projetos em análise, o PLP 44/22, de autoria do senador Luiz Carlos Heinze (PP-RS), é apontado como alternativa mais imediata para tirar a lei do papel. O projeto autoriza estados e municípios a remanejarem recursos parados em fundos de saúde. Se aprovado, o projeto liberaria cerca de R$ 7 bilhões aos cofres públicos.

Vistos como solução no longo prazo, estão sendo estudados o PL 798/21, que reedita o programa de repatriamento de recursos; o PL 458/21, que trata da atualização patrimonial, além do PL 1417/21, que prevê auxílio financeiro emergencial para as santas casas e hospitais filantrópicos.

Para não atrasar muito a solução, propostas mais polêmicas e sem consenso, como a legalização dos jogos de azar e minirreformas tributárias não entrarão no debate. Outra preocupação é com os profissionais que atuam na iniciativa privada. Neste caso, a ideia é desonerar a folha de pagamento da categoria. A expectativa é de que Pacheco se encontre ainda hoje com o ministro da Economia, Paulo Guedes, com o ministro Ciro Nogueira (Casa Civil) e com Célio Faria (Secretaria de Governo) para discutir as propostas apresentadas. O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), também deve sentar com o presidente do Senado na tentativa de destravar o piso. Amanhã, Pacheco também deve se reunir com a presidente do STF, ministra Rosa Weber, para tratar do assunto.

Ainda durante a reunião, o líder da minoria na Casa, Jean Paul Prates (PT-RN) apresentou uma proposta para que as emendas de relator, as RP 9, sejam utilizadas para custear o piso para os servidores municipais e estaduais da categoria. Na avaliação de Prates, a medida é a solução mais rápida para o impasse.

Lula sobre apoio de ex-adversários: “Vontade de recuperar a democracia” Ex-candidatos à Presidência do União Brasil, Cidadania, Rede, PSol e PCdoB declararam nesta segunda (19/9) apoio à candidatura petista

Fernando Haddad (PT), Marina Silva (Rede), Guilherme Boulos (Psol), Cristovam Buarque (Cidadania), Luciana Genro (Psol), Lula (PT), João Vicente Goulart (PCdoB) e Henrique Meirelles (União Brasil)Fábio Vieira/Metrópoles
São Paulo – Luiz Inácio Lula da Silva (PT) recebeu na manhã desta segunda-feira (19/9) apoio de ex-candidatos à Presidência dos partidos União Brasil, Cidadania, Rede, PSol e PCdoB. O ex-presidente se reuniu em São Paulo com Henrique Meirelles (União Brasil), Cristovam Buarque (Cidadania), Marina Silva (Rede), Guilherme Boulos (PSol), Luciana Genro (PSol) e João Vicente Goulart (PCdoB).

Esses políticos foram adversários de Lula, Fernando Haddad (PT) e Dilma Rousseff (PT) em eleições presidenciais anteriores. O alinhamento é mais um esforço da campanha petista para construir uma frente ampla pelo voto útil já no primeiro turno.

“Um dia alegre porque essa reunião simboliza a vontade que as pessoas têm de recuperar a democracia no nosso País. E todo mundo sabe que a democracia não é um pacto de silêncio”, disse Lula. “A democracia é a sociedade se movimentando dia e noite na perspectiva de conquistar melhores condições de vida para o povo brasileiro”, completou.

Reunião com ex-candidatos

Geraldo Alckmin (PSB), candidato a vice nessas eleições e a presidente em 2006 e 2018, e Fernando Haddad (PT), que concorreu ao Planalto em 2018 e, atualmente, disputa o cargo de governador em SP, também participaram do encontro no Hotel Gran Mercure, localizando no bairro Ibirapuera, região nobre de São Paulo.

Guilherme Boulos (PSol), que foi candidato à Presidência em 2018 e agora disputa uma vaga de deputado federal por São Paulo, já tinha se juntado à equipe de Lula e, atualmente, é coordenador da campanha do petista em São Paulo. Colega de partido de Boulos, Luciana Genro também manifestou seu apoio na manhã desta segunda-feira (19/9).[fonte metrópole]

Ação em São Paulo vai monitorar casos de violência política na eleição Iniciativa busca também coibir disseminação de fake news

Órgãos públicos ligados à defesa dos direitos humanos firmaram termo de compromisso para coibir a violência política e a disseminação de fake news (notícias falsas no estado de São Paulo nas eleições deste ano. A iniciativa partiu do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana de São Paulo (Condepe), que receberá as denúncias, e reúne o Ministério Público de São Paulo (MPSP), as defensorias públicas do estado e da União e a Ordem dos Advogados do Brasil Seção São Paulo (OAB/SP).

Uma pesquisa encomendada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública e pela Rede de Ação Política pela Sustentabilidade (Raps), realizada pelo Instituto Datafolha, mostra que 67% das pessoas têm medo de ser agredidas fisicamente pela sua escolha política ou partidária.

Um dos casos mais recentes ocorreu na semana passada, quando Benedito Cardoso dos Santos, apoiador do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi morto a facadas por Rafael Silva de Oliveira, partidário da campanha do presidente Jair Bolsonaro à reeleição, em uma discussão política, conforme o boletim de ocorrência.

Segundo os signatários da iniciativa, o objetivo da proposta é preservar a “lisura das eleições e a defesa da democracia”. As entidades destacam ainda que a união é inédita e pretende agilizar a apuração de atos que atentem contra o processo eleitoral, possibilitando a responsabilização de seus autores e desestimulando atos violadores de direitos políticos e disseminação de fake news. As denúncias vão ser recebidas pelo e-mail condepe@sp.gov.br.

O conselho encaminhará, em até 24 horas, os casos para o Ministério Público de São Paulo, ou a Defensoria Pública da União, dependendo da competência da Justiça para investigar. A expectativa é que, com a assinatura do termo, as investigações sejam iniciadas em um prazo de 48 horas.

Pesquisa CNT: Lula e Bolsonaro crescem, mas petista mantém liderança em disputa presidencial

Pesquisa CNT: Lula e Bolsonaro crescem, mas petista mantém liderança em disputa presidencial

Foto: Reprodução / Flickr Lula Oficial

Tanto o presidente Jair Bolsonaro (PL) quanto o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) cresceram no último levantamento promovido pela Confederação Nacional do Transporte (CNT). Divulgada nesta sexta-feira (16), a pesquisa aponta que Lula tem 43,4% das intenções de votos e Bolsonaro 34,8%.

 

Na sequencia do formato estimulado está Ciro Gomes (PDT) com 5,6%, Simone Tebet (MDB) com 4,7% e Soraya Thronicke (União) com 0,7%. Ainda pontuaram Felipe Dávila (Novo) com 0,3%, Vera Lúcia (PSTU) com 0,2%, Padre Kelman (PTB) com 0,1% e Sofia Manzano (PCB) com 0,1%. Indecisos são 6% e branco ou nulo são 4,1%.

 

Já no formato espontaneo, Lula tem 39,3% seguido por Bolsonaro com 31,6%. Ainda foram mencionados Ciro Gomes com 3,6%, Simone Tebet com 2,3%, outros com 0,9%. Brancos e nulos somaram 4,8% e indecisos são 17,5%. 

 

Outro dado apontado pela pesquisa é que 80,7% dos entrevistados indica que a decisão do voto em determinado candidato é definitiva. Já 19,3% sinalizaram que podem mudar de candidato até as eleições. 

 

Ao todo foram feitas 2.002 entrevistas, entre os dias 12 a 14 de setembro de 2022. A margem de erro: 2,2 pp com nível de confiança: 95%. O registro foi formalizado no número BR 06984/2022.

Mentira: Lula não debochou de enfermeiros e sempre defendeu piso para a categoria Volume de fake news contra ex-presidente deve crescer até as eleições de 2 de outubro

Lula tem um longo histórico de defesa da categoria de enfermagem – Divulgação

Uma das mais recentes fake news que circula em grupos bolsonaristas é que o ex-presidente Lula teria debochado de enfermeiros, após o Supremo Tribunal Federal (STF) ter suspendido o piso salarial da categoria. A mentira que circula desde o domingo foi desmentida na manhã desta segunda (5) no site oficial do atual candidato presidencial do PT.

A mensagem falsa, de que Lula teria dito que enfermeiros “só servem para servir sopa” circula em grupos de Whatsapp e Telegram. Ela se enquadra na categoria “aleatória” de fake news, segundo classificação do site de checagem Verdade na Rede. Nesse tipo de mentira, os autores usam um tema do noticiário de forma deturpada.

:: Conheça 7 tipos de notícias falsas espalhadas pelo “Gabinete do Ódio” :::

O tema em questão foi a decisão divulgada no domingo (4) do ministro do STF Luís Roberto Barroso que suspendeu o piso por 60 dias para que os setores público e privado expliquem o impacto econômico da medida.

Ao contrário do que diz essa a postagem, Lula sempre defendeu os profissionais da enfermagem e o piso para a categoria, que foi uma vitória conquistada após muito empenho de parlamentares da esquerda. No dia 12 de maio deste ano, Lula declarou:

“Hoje é dia da enfermagem, uma categoria profissional que esteve bravamente na linha de frente do combate a covid, mesmo diante de constantes ataques do atual governo. Nossa saúde e seus profissionais precisam ser valorizados e tratados com respeito.”

Há meses liderando em todas as pesquisas de intenção de voto para presidente, Lula é alvo constante de fake news e esse volume de mentiras deve crescer até a votação do dia 2 de outubro. Para checar se alguma declaração do ex-presidente é verdadeira ou não, a melhor forma é acompanhar suas redes sociais e sites especializados em checagem de fatos.

Rui provoca ACM Neto e diz que Jerônimo vai dar ‘liberdade’ para Bruno ‘governar Salvador’

Rui provoca ACM Neto e diz que Jerônimo vai dar 'liberdade' para Bruno 'governar Salvador'

Foto: Anderson Ramos / Bahia Notícias

A menos de um mês do primeiro turno das eleições de 2022, o governador da Bahia, Rui Costa (PT), decidiu alfinetar o candidato ao Palácio de Ondina, ACM Neto (União), na manhã desta segunda-feira (5). Durante a entrega de 20 ônibus elétricos, Rui falou sobre as linhas de ônibus de Salvador que seriam administradas pelo governo do Estado e sinalizou para a desistência do prefeito Bruno Reis (União) por uma suposta interferência do ex-gestor municipal.

 

“Ele [ACM Neto] podia dar uma chance ao Bruno [Reis] pelo menos. Ele quebrou o sistema de transporte de Salvador, ele foi testado e reprovado como péssimo gestor de transporte da capital, se alguém foi testado e reprovado foi ele. Deixa o Bruno governar e a gente conversar, permita que ele converse comigo, porque até agora ele começou a conversar e eu gastei sábado, domingo, passei em casa fazendo roteiro, mostrei ao prefeito, estava tudo acordado. Ele sinalizou inclusive que queria entregar os corredores de ônibus para o Estado e eu disse que aceitava”, disse Rui durante conversa com a imprensa.

 

“Eu a ele que não queria atropelar, chamar uma reunião com os empresários por cima da prefeitura, eu respeito o poder local e não quero mudar de postura porque você é de um partido diferente do meu, eu quero respeitar o município de Salvador. Então eu não chamei nenhuma reunião formal com os empresários. Eu disse ‘vamos fazer uma reunião juntos?’. E ele disse ‘eu vou pensar’, e toda vez que ele dizia isso eu lia de outra forma: ‘Eu vou consultar’. E ele disse para mim que estava ok o sistema e depois voltou atrás. Eu fiquei muito chateado e liguei para ele, ele botou a culpa nos empresários. Para o candidato eu digo: deixe o prefeito governar. O Wagner me passou o governo e nunca me atrapalhou, nunca me exigiu nada, diferente dele [ACM Neto]”, acrescentou.

 

O governador chegou a revelar uma conversa que teve com Bruno Reis no Dois de Julho, em Salvador. De acordo com Rui, o atual prefeito da capital baiana não tem autonomia para a tomada de decisões na gestão municipal.

 

“Eu brinquei com o prefeito no Dois de Julho e disse: ‘você vai ganhar sua liberdade no dia 2 de outubro, porque com Jerônimo eleito ele vai ganhar a liberdade de poder governar Salvador, que hoje ele não tem. Eu estou falando sério, eu não vou ficar aqui batendo no prefeito, eu não sou de agredir as pessoas. Mas ele infelizmente mostra sua fidelidade ao ex-prefeito, mas tudo ali tem que rezar para São Lucas, São Bernardo, ajoelhar para todos os santos para poder fazer as coisas. Masculino e feminino, Nossa Senhora do Rosário e o coitado do prefeito não consegue fazer nada sem pedir autorização. Eu só ouço relato que ele está tomando grito do ex-prefeito toda hora, coitado. Agora então que começou a despencar nas pesquisas parece que os gritos aumentaram”, provocou.

Mais de 156 milhões de eleitores vão às urnas no dia 2 de outubro, afirma TSE

Mais de 156 milhões de eleitores vão às urnas no dia 2 de outubro, afirma TSE

Foto: Nelson Jr./ ASICS/ TSE

No dia 2 de outubro os eleitores escolherão representantes para os cargos de deputado federal, deputado estadual ou distrital, senador, governador e presidente da República.

 

De acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), são 156.454.011 brasileiras e brasileiros distribuídos entre 5.570 cidades do país, incluindo o Distrito Federal e Fernando de Noronha, e 181 localidades no exterior.

 

Ainda segundo o TSE, para estas eleições foi registrado um aumento de 6,21% do eleitorado em comparação com a última eleição geral, realizada em 2018, quando 147.306.275 pessoas estavam habilitadas para votar.

 

O eleitorado brasileiro é majoritariamente composto por mulheres. Elas correspondem a 52,65% do total apto a votar nas Eleições 2022. Já os homens somam 47,33% dos votantes.

 

Faixa etária

Este ano, serão 2.116.781 eleitores jovens, que têm 16 e 17 anos; e 14.893.281 eleitores com mais de 70 anos, cujo voto é facultativo. Somam-se ao grupo de eleitores idosos 184.330 votantes que possuem 100 anos ou mais. Pessoas na faixa dos 25 aos 44 anos correspondem a 40,72% dos eleitores.

 

Deficiência ou mobilidade reduzida

O eleitorado com deficiência no Brasil e no exterior corresponde a 0,81% do total de votantes. Ao todo, 1.271.381 pessoas declararam ter deficiência ou mobilidade reduzida, sendo 642.441 mulheres; 628.827 homens; e outras 113 sem informação relativa ao gênero.

 

Nome social

Por falar em gênero, desde 2018, pessoas transgênero, transexuais e travestis podem solicitar à Justiça Eleitoral a inclusão do nome social no título de eleitor. Naquele ano, 7.945 eleitores exerceram esse direito. Agora, esse número cresceu para 37.646 pessoas com nome social, um aumento de 373% em relação às últimas eleições gerais. Desses mais de 37 mil votantes, 20.129 se identificam com o gênero feminino e 17.517 com o masculino.

 

Colégios eleitorais

São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro são os estados que representam os três maiores colégios eleitorais do Brasil, respectivamente. São Paulo concentra 22,16% de todas as pessoas aptas a votar em 2022. Logo em seguida vem Minas Gerais, com 10,41%; e Rio de Janeiro, com 8,2% do total de eleitores do país.

Roraima, Amapá e Acre são os estados que representam os três menores colégios eleitorais. Em Roraima votam 0,23% do total de eleitores, enquanto no Amapá estão 0,35% e no Acre 0,38% do eleitorado.

 

Vagas disponíveis

No Congresso Nacional são 540 vagas disponíveis, sendo 513 para deputada ou deputado federal e outras 27 para senadora ou senador.

Nas Assembleias Legislativas são 1.035 cadeiras em disputa, distribuídas em 26 Unidades da Federação. Já para a Câmara Legislativa do DF serão eleitos 24 parlamentares.

Para os cargos do Poder Executivo serão escolhidos 27 governadores e um presidente da República.

 

Servidores e Mesários

A realização de eleições para eleger representantes políticos é uma conquista assegurada pela Constituição Federal.

 

Em todo país, mais de 22 mil servidoras e servidores da Justiça Eleitoral trabalham para garantir que esse direito possa ser exercido. Além disso, são mais de três mil juízas e juízes e três mil promotoras e promotores, que atuam em 28 tribunais eleitorais; 2.637 zonas e 496 mil seções eleitorais, instaladas inclusive nas aldeias de povos originários.

 

Neste ano, 1,7 milhão de mesários foram nomeados para trabalhar nas seções eleitorais espalhadas pelo país. Entre eles, 52% foram convocados pela Justiça Eleitoral a realizar o trabalho, enquanto 48% se candidataram para atuar voluntariamente no dia da eleição.

Em Paripiranga, Jerônimo Rodrigues reafirma confiança em vitória no 1º turno

Em Paripiranga, Jerônimo Rodrigues reafirma confiança em vitória no 1º turno

Foto: Divulgação

O candidato a governador Jerônimo Rodrigues (PT) foi recebido com um grande evento de campanha neste domingo (4) em Paripiranga. O petista criticou ainda o ex-prefeito ACM Neto (União) por utilizar uma concessão pública, como a TV Bahia, para se beneficiar na campanha eleitoral.

 

“Vocês podem perceber que o lado do tanto faz está tão desesperado que não finge nem mais separar os empreendimentos privados da disputa política. O ex-prefeito, aquele que fica em cima do muro e não assume Bolsonaro, usa de uma concessão pública para administrar seu site de campanha. Não sabe separar o público do privado, é mais um absurdo que ele comete”, criticou Jerônimo.

 

“Ainda assim, com todo respeito à oposição, que está aí conhecendo a Bahia pela primeira vez, pisando fora da capital, eu reafirmo aqui que nós vamos vencer no primeiro turno”, afirmou Jerônimo. “Eu vou cuidar da Bahia com o presidente Lula ao meu lado”, continuou o petista.

 

O petista ressaltou ainda que, apesar do cenário nacional desfavorável, com o retorno do Brasil ao mapa da fome e altas taxas de desemprego e inflação, a sua gestão irá atuar para sanar estes problemas na Bahia e garantir desenvolvimento econômico e social para todo estado.

 

“A minha marca será a inclusão, nós vamos lutar contra a fome, o desemprego e a inflação. Vamos expulsar esses males da Bahia e do Brasil, ao lado de Lula”, complementou.

 

O prefeito de Paripiranga, Justino Neto (Pros), afirmou que Jerônimo é um homem que é a cara do povo e que já se provou como gestor competente para assumir a gestão estadual. Segundo ele, o petista terá votação recorde no município.

 

“Jerônimo terá 80% dos votos aqui em Paripiranga. Ele tem a cara do povo, a história do povo, representa o povo, não nasceu em berço de ouro e chão de mármore. Eu tenho certeza de que ele terá uma gestão ainda melhor que a de Rui Costa, que já fez muito pela Bahia e por Paripiranga”, declarou o prefeito.

 

“É como eu venho dizendo: o Brasil tem jeito e a Bahia tem lado. A Bahia não está do lado deles, o lado de lá que destruiu o país junto com Bolsonaro, o ex-prefeito fez campanha, indicou aliados para cargos aqui na Bahia e agora finge que não é com ele. A Bahia está do lado de quem gostar de cuidar de gente, da comida na mesa, do emprego, dos investimentos em Saúde e de quem realmente olha para a população e tem a política como missão, não como apoio para interesses privados e enriquecer”, garantiu Jerônimo.

 

Neste domingo, além de Paripiranga, Jerônimo ainda participa de carreatas nas cidades de Adustina, Fátima, Cícero Dantas, Sítio do Quinto, Jeremoabo e Coronel João Sá.

A PREFEITA DONA NILDA ESTEVE COM O GOVERNADOR RUI COSTA O CANDIDATO A GOVERNADOR JERONIMO RODRIQUES E O CANDIDATO AO SENADO OTTO ALENCAR[ VEJAM O VIDEO]



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia