WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

prefeitura de pocoes



setembro 2021
D S T Q Q S S
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  


cobra produtora marcus solla acougues angelica fabricio

:: ‘Brasil’

10 de Setembro Dia da Imprensa: Nada a Comemorar !

10 de Setembro Dia da Imprensa Nada a Comemorar

10 de Setembro

No Dia da Imprensa Nada a Comemorar !

Quando se confundem Militância Política com Jornalismo.

Nada a Comemorar no Dia da Imprensa Diante dos Atentados à Liberdade de Expressão por parte de Plataformas e do Judiciário…

Anonymous declara guerra a Bolsonaro e convoca atos para Sete de Setembro

Grupo de hackers invadiu site de empresa investigada em esquema de compra irregular de vacina   O grupo de hackers Anonymous, que se intitula ativista da liberdade digital, declarou guerra contra o presidente Jair Bolsonaro. Por meio de um vídeo gravado em inglês, eles convocaram a população para as ruas nesta terça-feira, feriado de Sete de Setembro, em que se comemora a Independência do Brasil, para lutar contra o governo. No mesmo dia, Bolsonaro convocou seus apoiadores para as manifestações.

O vídeo foi divulgado na sexta-feira (3), em uma invasão ao site da FIB Bank. A empresa é investigada pela CPI da Covid no Senado por oferecer uma garantia financeira de R$ 80,7 milhões no contrato entre a Precisa Medicamentos e o Ministério da Saúde, no caso da venda da vacina indiana Covaxin.

O FIB Bank não é uma instituição financeira e não possui autorização do Banco Central para atuar no ramo. Apesar disso, apenas nesta segunda-feira (6) o vídeo dos hackers viralizou nas redes sociais, com a declaração de guerra a Jair Bolsonaro.

Os hackers acusaram o presidente de ameaçar um golpe colocando em suspeita o processo eleitoral, assim como fez o ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Assista;

Anvisa analisa nesta sexta-feira pedidos de importação das vacinas Covaxin e Sputnik V Os dois imunizantes já tiveram solicitações rejeitadas pela agência. Atualmente, quatro vacinas têm autorização para aplicação no Brasil.


ANS se reúne nesta sexta para analisar importação de duas vacinas

ANS se reúne nesta sexta para analisar importação de duas vacinas

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se reúne na tarde desta sexta-feira (4) para analisar os pedidos de importação de duas vacinas contra a Covid-19: a russa Sputnik V e a indiana Covaxin. O encontro está previsto para começar às 14h.

Os dois imunizantes já tiveram pedidos de importação negados pela agência. Atualmente, as únicas vacinas que têm autorização para aplicação no país são CoronaVac, AstraZeneca/OxfordPfizer/BioNTech e Janssen.

Covaxin

Em março, um pedido protocolado pelo Ministério da Saúde para a importação de 20 milhões de doses da Coxavin foi rejeitado em decisão unânime. À epoca, a Anvisa considerou que faltavam documentos e dados para a liberação da vacina.

A agência também negou a certificação de boas práticas à Bharat Biotech, empresa de biotecnologia indiana que desenvolveu a Covaxin.

Segundo a Anvisa, o Ministério da Saúde e a Precisa Medicamentos, que negocia a vacina no país, “seguiram em tratativas com a agência a fim de adequar os aspectos que motivaram o indeferimento”.

A empresa indiana protocolou um novo pedido de certificação de boas práticas, referente à linha de produção. Esse pedido está sendo analisado, segundo a Anvisa. No mês passado, o órgão autorizou testes da fase 3 no Brasil.

Que vacina é essa? Covaxin

Sputnik

Em abril, a Anvisa negou o pedido de autorização feito por 14 estados para importação de quase 30 milhões de doses da Sputnik V.

A decisão contra a importação foi tomada em uma reunião extraordinária que ocorreu para atender uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), em uma ação protocolada pelo governo do Maranhão.

A agência apontou que não recebeu relatório técnico capaz de comprovar que a vacina atende a padrões de qualidade e não conseguiu localizar o relatório com autoridades de países onde a vacina é aplicada.

Além disso, a Gerência de Medicamentos do órgão apontou diversas falhas de segurança associadas ao desenvolvimento do imunizante. Na mais grave, explicou que o adenovírus usado para carregar o material genético do coronavírus não deveria se replicar, mas ele é capaz de se reproduzir e pode causar doenças.

O Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF, na sigla em inglês) disse em nota, um dia após a negativa da agência brasileira, que os comentários da Anvisa sobre a vacina Sputnik V estavam “incorretos” e que a decisão de adiar a aprovação do imunizante poderia ter “motivação política”.

Em Serrana, vacinação em massa faz mortes por Covid caírem 95%

Estudo do Butantan mostra que pandemia pode ser controlada com a imunização de 75% da população

A verdadeira imunidade de rebanho passa pela vacinação em massa e não pela contaminação da população por Covid-19, como defende Jair Bolsonaro. É o que demonstra um estudo conduzido pelo Instituto Butantan na cidade de Serrana, no interior paulista. O estudo mostra que é possível controlar a pandemia se pelo menos 75% da população for vacinada com duas doses. Em dois meses de imunização com a CoronaVac, que durou até 11 de abril, as mortes por Covid-19 caíram 95%.

Mas há mais: as internações caíram 86% e os casos sintomáticos foram reduzidos em 80%. Os resultados preliminares foram divulgados pela TV Globo, no domingo (30). O número de novos casos passou de 699 infecções no mês de março para 251 em abril. No mesmo intervalo, as mortes caíram de 20 para seis óbitos. Ao todo, 27.160 habitantes foram imunizados com duas doses da CoronaVac, o que representa 95,7% do público alvo. Serrana tem cerca de 45 mil habitantes.

“Excelentes notícias para quem acredita na ciência e na vacina”, comemorou a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS), pelo Twitter. “O Brasil anseia por vacinação em massa. Vacina no braço, comida no prato e como as ruas já bem disseram no sábado: fora, Bolsonaro”, escreveu a deputada. 

Em 2010, país foi exemplo mundial de vacinação

Enquanto isso, o Brasil patina na vacinação, com sucessivos cortes na oferta de vacinas anunciados pelo governo nos últimos meses. Atualmente, o país tem apenas pouco mais de 10% da população vacinada com duas doses de vacina contra a Covid-19. Um quadro bem diferente de quando o presidente Lula vacinou, em 2010, 88 milhões de brasileiros contra a H1N1 em três meses, transformando o Brasil em modelo mundial de vacinação.

“O efeito da vacinação começa a ser muito mais evidente a partir da segunda semana após a segunda dose. Quando a gente vacina metade dos adultos, diminui as hospitalizações”, explicou o diretor médico de pesquisa clínica do Butantan, Ricardo Palácios, mostrando porque é importante ampliar as imunizações.

Segundo o pesquisador, a vacinação de pelo menos 75% da população não é suficiente para encerrar a pandemia no país, mas deixá-la sob controle. “Nós não vamos erradicar o vírus, vamos controlar para que esteja em níveis que são manejáveis, para que não tenhamos tanta dor e sofrimento”, observou Palácios.

Da Redação, com informações de UOL e BBC

Incêndio em ala de Covid-19 deixa quatro pacientes mortos em UPA de Aracaju

Incêndio em ala de Covid-19 deixa quatro pacientes mortos em UPA de Aracaju

Foto: Michele Costa/TV Sergipe

Um incêndio na ala de Covid-19 nesta sexta-feira (29) em uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento) da rede municipal de Aracaju deixou quatro pacientes mortos. Outros 35 precisaram ser transferidos às pressas.
A prefeitura de Aracaju não informou o número de feridos. Havia 60 doentes na unidade. Uma mulher de 77 anos morreu durante o processo de remoção para um hospital de urgência da rede pública estadual.
A identidade das pessoas mortas não foi divulgada. As chamas na unidade Doutor Nestor Piva, na zona norte da capital sergipana, tiveram início por volta das 6h30.
No local, dez doentes aguardavam na fila para acessar uma vaga de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) em outros hospitais.
Concebidas para prestar atendimento a pacientes em casos de urgência e emergência, UPAs têm sido transformadas em hospitais improvisados diante da escassez de vagas na crise sanitária provocada pela Covid-19. Em São Paulo, algumas UPAs chegaram a triplicar seus leitos, ocupando até consultórios.
Aracaju sofre com pacientes em filas para conseguir um leito de UTI há mais de três meses. Das 115 vagas disponíveis na capital sergipana, 97% estão ocupadas. Há 22 doentes graves aguardando.
Em abril, o Ministério Público de Sergipe, por meio de uma ação civil pública, acionou a Justiça Federal para que a União, o estado e o município implantem novos leitos de UTI até que a fila esteja zerada.
Não adiantou. Na última semana, 22 leitos foram fechados. Além da ampliação de vagas, os promotores pediram a transferência urgente dos pacientes que esperavam vaga.
Até o momento, a hipótese mais provável é de que o incêndio tenha sido ocasionado por um curto-circuito no sistema de refrigeração. Houve dificuldades na remoção de pacientes porque todos estavam acamados.
Muitos doentes e acompanhantes ficaram ainda mais debilitados após inalar fumaça. O incêndio foi controlado ainda na manhã desta sexta.
Em nota, a gestão municipal informou que está em tratativas para buscar nova unidade de atendimento em substituição aos leitos do Nestor Piva.
“O reabastecimento de oxigênio nos leitos municipais está garantido pela empresa que fornece o produto e a Secretaria Municipal da Saúde está ampliando as escalas de trabalho para assegurar a assistência necessária à população aracajuana nos equipamentos da rede municipal de Saúde”, comunicou.
A prefeitura destacou que estruturou um espaço para atendimento psicológico e de informações para familiares dos pacientes e trabalhadores do hospital.
A área onde ocorreu o incêndio está isolada, e o espaço não atingido será equipado para atendimento ao público.

Brasil ultrapassa 456 mil mortes por Covid-19

Brasil ultrapassa 456 mil mortes por Covid-19

Foto: Rovena Rosa / Agência Brasil

O número de mortos por covid-19 no Brasil desde o início da pandemia chegou a 456.674 nesta quinta-feira (27). Entre a última quarta-feira (26) e esta quinta-feira (27), foram registrados 2.245 óbitos, segundo o Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Além disso, foram registrados 1.099.196 casos ativos da doença.

 

Ainda há 3.759 mortes em investigação. O termo é usado pelas autoridades de saúde para casos em que o paciente morre mas a causa continua sendo estudada mesmo após a declaração do óbito.

 

Já o total de pessoas infectadas desde o início da pandemia chegou a 16.342.162. Nas últimas 24 horas, foram confirmados 67.467 casos de covid-19. Ontem, constavam 16.274.695 casos da doença no painel de informações do Ministério da Saúde.

 

O número de recuperados chegou a 14.786.292, o que corresponde a 90,5% do total de pessoas infectadas com o vírus, de acordo com o balanço diário do Ministério da Saúde, divulgado na noite da última quinta-feira (26). A atualização é feita com base em informações disponibilizadas pelas secretarias estaduais de Saúde.

 

Os números são em geral mais baixos aos domingos e segundas-feiras em razão da menor quantidade de funcionários das equipes de saúde para fazer a alimentação dos dados. Já às terças-feiras os resultados tendem a ser maiores pelo envio dos dados acumulados.

 

Entre os estados com maior número de mortes por covid-19, o primeiro é São Paulo, com 109.850. Em seguida, vem o Rio de Janeiro, com 50.125; Minas Gerais, com 39.784; Rio Grande do Sul, com 27.868; e Paraná, com 25.966.

 

Logo após, estão Roraima, com 1.612 óbitos; Acre, com 1.652; Amapá, com 1.683; Tocantins, com 2.825; e Alagoas, com 4.679.

 

Até o momento, foram distribuídas 96,5 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 a estados e municípios. Deste total, foram aplicadas 60,8 milhões, sendo 41,3 milhões da primeira e 19,5 milhões da segunda dose.

Vaza fotos de dentro do quarto de MC Kevin antes da queda, ‘detalhe viraliza’ e choca web; confira

No último domingo, 16 de maio, MC Kevin de apenas 23 anos, morreu de forma trágica após cair do 5º andar de um Hotel no Rio de Janeiro. O cantor estava hospedado no local, e na hora do acontecido ele estava com um amigo, MC Vk e uma garota de progr*ma no quarto.

Segundo as informações, ele achou que a mulher dele estava chegando lá, se desesperou, foi para varanda e tentou ir para outro quarto e caiu, não resistiu aos ferimentos.

A polícia segue investigando o caso trágico do cantor, até então muitas suposições foram feitas nas redes sociais. O hotel onde ele estava foi um dos mais comentados nas redes sociais, muito foi questionado de qual andar ele estava na hora da queda.

O hotel em uma nota oficial, lamentando a morte do cantor, confirmou que na hora da tragédia, ele estava no 5º andar.

Neste domingo, 23 de maio, o apresentador e jornalista Luiz Bacci divulgou foto de como era dentro do quarto em que ele estava hospedado. A foto rapidamente viralizou nas redes sociais.

Pelas imagens dá pra ver que era um quarto de luxo, mas o que chamou atenção foi uma cadeira que estava na varanda, e que foi até questionado por Deolane nas redes sociais confira logo abaixo:

 

 

 

CIEE abre vagas de estágio na Caixa para nível médio e técnico em todo o Brasil com bolsa salário de até R$1 mil + auxílio transporte; saiba como se inscrever

Se você estava esperando uma oportunidade de estágio na Caixa Econômica Federal a sua hora acaba de chegar, pois o governo acaba de abrir diversas vagas e os benefícios incluem bolsas auxílio que podem chegar até mil reais. Aproveite e realize a sua inscrição agora mesmo!

O prazo vai até o dia 31 de maio e o Centro de Integração Empresa Escola (CIEE) será a instituição responsável pela seleção dos candidatos. O valor da bolsa-auxílio varia de acordo com a jornada de estágio, sendo R$ 400 mensais para carga horária de 4h diárias / 20h semanais para ensino médio ou técnico; R$ 500 para carga horária de 5h diárias / 25h semanais para ensino médio ou técnico; e R$ 1.000 para carga horária de 5h diárias / 25 horas semanais para ensino superior. Além disso, será concedido auxílio-transporte no valor de R$ 130.
Saiba os requisitos para participar das vagas de estágio na caixa econômica federal
Os alunos do ensino médio ou EJA interessados no Processo Seletivo Caixa Estágio 2021 devem cursar do 1º ao 3º ano, enquanto os estudantes de cursos técnicos e/ou integrados ao ensino médio deve estar matriculados do 1º ao penúltimo semestre.
Os universitários das áreas de arquitetura e urbanismo e engenharia (diversas especialidades) devem cursar do 5º ao penúltimo semestre. Já os estudantes do curso de direito devem cursar do 5º ao 9º semestre do ensino superior. Para todos os casos, a Caixa Econômica Federal solicita que os futuros estagiários tenham ao menos seis meses disponíveis para estágio, além de idade mínima de 16 anos.
Realize a sua inscrição
Antes de efetuar a inscrição para as vagas de estágio na Caixa Econômica Federal, o estudante deverá conhecer o edital e certificar-se de que preenche todos os requisitos exigidos.
A inscrição no processo seletivo gera para o candidato apenas expectativa de ser convocado para realizar a prova e seguir com as demais etapas do processo seletivo, ficando a concretização desse ato condicionada ao surgimento de vaga compatível com seu perfil.
A inscrição e prova online serão recebidas somente via internet, que estarão disponíveis até o dia 31/05/2021 às 23h59min (horário de Brasília), incluindo sábados, domingos e feriados.
Não serão aceitas outras formas de inscrição. Para realizar sua inscrição no processo seletivo, o candidato deverá acessar o site do CIEE www.ciee.org.br clicar no acesso para “ESTUDANTES”, localizar na lista de “PROCESSOS SELETIVOS” o logotipo da CAIXA e clicar neste link.

Saúde enviou 265 mil unidades de remédios sem eficácia para tratar Covid em indígenas

Saúde enviou 265 mil unidades de remédios sem eficácia para tratar Covid em indígenas

Foto: Arquivo Pessoal / Yanama Kuikuro

O Ministério da Saúde distribuiu pelo menos 265 mil comprimidos de cloroquina, azitromicina e ivermectina a indígenas em cinco estados, com o propósito de tratar infecções pelo novo coronavírus. Os três medicamentos não têm eficácia para Covid-19.
Parte dessas drogas foi comprada diretamente por DSEIs (Distritos Sanitários Especiais Indígenas), vinculados ao ministério e com atuação de saúde na ponta, junto às comunidades.
Um informe técnico da Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena), de junho de 2020, orientou os DSEIs a “instruir seus respectivos processos de aquisição” de cloroquina e hidroxicloroquina, caso municípios e estados se negassem a fornecer o medicamento.
O envio maciço de medicamentos sem eficácia a indígenas entrou no foco da CPI da Covid no Senado. A estratégia da atual gestão do Ministério da Saúde e do general da ativa Eduardo Pazuello, que impulsionou a prática ao longo de sua administração na pasta, é sustentar que os comprimidos se destinaram aos tratamentos previstos na bula.
A cloroquina, por exemplo, é usada no tratamento de malária. A doença atinge cerca de 194 mil brasileiros por ano, dos quais 193 mil (99,5%) na região amazônica.
A azitromicina é um antibiótico usado principalmente no tratamento de doenças respiratórias. E a ivermectina se destina a infecções por parasitas.
Documentos e registros do próprio ministério contrariam a versão de que as compras e distribuição dos medicamentos se destinaram a essas doenças, e não para Covid-19.
Notas de empenho referentes a compras de azitromicina pelos DSEIs Alto Purus, no Acre, e Cuiabá registram que a aquisição do medicamento se destinou ao “enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente do Covid-19” ou a “medidas de controle de infecção humana pelo novo coronavírus (Covid-19)”. O empenho é a autorização para o gasto.
Para o tratamento de indígenas no Acre foram adquiridos 20 mil comprimidos de azitromicina com dosagem de 500 mg. É a mesma especificação recomendada em nota técnica do Ministério da Saúde, atualizada em maio, que embasa o combo de medicamentos sem eficácia para Covid-19: cloroquina, hidroxicloroquina, azitromicina e Tamiflu, este último recomendado para gripe.
Cada comprimido saiu por R$ 1,82. O valor total foi de R$ 36,4 mil.
A azitromicina adquirida pelo DSEI Cuiabá também tinha dosagem de 500 mg. O valor unitário foi de R$ 1,25. Os 20 mil comprimidos custaram R$ 25 mil.
Também houve compras de antibióticos por DSEIs em Mato Grosso, para os indígenas do Xingu e para os xavantes, e em Rondônia, para etnias como suruí, cinta larga e terena.
As compras são informadas num portal alimentado pelo Ministério da Saúde, chamado Localiza SUS, criado para divulgar os gastos e ações de combate à pandemia.
O mesmo Localiza SUS faz um detalhamento do envio de 100,5 mil comprimidos de cloroquina, todos eles destinados a indígenas em Roraima. O objetivo foi o tratamento de Covid-19, segundo o portal.
Do total distribuído, 39,5 mil se destinaram aos yanomami em Roraima. O restante foi usado em comunidades da terra indígena Raposa Serra do Sol.
Há ainda distribuições feitas pela Aeronáutica e cujos destinos a Força Aérea Brasileira mantém ocultos, como a Folha mostrou em reportagem publicada no último dia 6.
Um desses transportes foi para a região chamada Cabeça do Cachorro, no Amazonas, na fronteira com a Colômbia e a Venezuela. Pelo menos 1,5 mil comprimidos de cloroquina foram transportados para o local, onde estão 23 etnias.
Também houve uma compra direta de cloroquina pelo DSEI de Vilhena (RO). Segundo os registros do Localiza SUS, a aquisição está associada a ações contra a Covid-19.
É a mesma situação de aquisições de 24 mil comprimidos de ivermectina pelos DSEIs Alto Rio Negro, que atende a Cabeça do Cachorro, e Xingu, em Mato Grosso.
O Ministério da Saúde distribuiu ainda 370,2 mil cápsulas de Tamiflu a indígenas em 16 estados. A pasta registra que o medicamento se destinou ao combate à influenza, mas o Tamiflu integra o kit do chamado “tratamento precoce” de Covid-19, previsto em protocolo ainda em vigência.
A Folha questionou o ministério sobre cada compra e distribuição a indígenas de medicamentos sem eficácia para Covid-19. “O antimalárico é adquirido e enviado regularmente a 25 DSEIs que estão em área endêmica”, disse, em nota, em relação à cloroquina.
“Azitromicina e ivermectina são medicamentos que constam na Rename (Relação Nacional de Medicamentos Essenciais) e utilizados em diversos tratamentos de atenção primária do SUS. A aquisição de medicamentos da Rename é feita a partir das demandas de atendimento dos DSEIs”, afirmou.
Segundo o ministério, serviços básicos de saúde não foram suspensos durante o pico da pandemia. “Somente em 2020, foram realizados mais de 12,1 milhões de atendimentos nas aldeias, e contratados mais 700 profissionais para reforçar a assistência em saúde.”
Na CPI da Covid, no segundo dia de depoimento, Pazuello negou que sua gestão tivesse distribuído medicamentos do “tratamento precoce” aos DSEIs. A negativa ocorreu na quinta-feira (20), em resposta a questionamentos do senador Fabiano Contarato (Rede-ES).
O general da ativa contou outras mentiras em seus depoimentos na CPI, em relação a vacinas e à crise do oxigênio em Manaus em janeiro, o que despertou a reação de senadores não alinhados ao governo de Jair Bolsonaro.

Paulo Gustavo tem quadro irreversível, mas mantém sinais vitais, diz boletim médico

Paulo Gustavo  — Foto: Globo/João Cottaator e humorista Paulo Gustavo tem quadro irreversível, mas mantém os sinais vitais, segundo informou nesta terça-feira (4) a assessoria de imprensa do artista, com base no boletim médico.

“Após a constatação da embolia gasosa disseminada ocorrida no último domingo, em decorrência de fístula brônquio-venosa, o estado de saúde do paciente vem deteriorando de forma importante. Apesar da irreversibilidade do quadro, o paciente ainda se encontra com sinais vitais presentes.”

Internado desde 13 de março no Hospital Copa Star, em Copacabana, com quadro de Covid-19, Paulo Gustavo permanece no Serviço de Terapia Intensiva.

A piora no quadro de saúde do ator aconteceu na noite de domingo (2). Paulo Gustavo vinha apresentando melhoras significativas, chegou a ter redução de sedativos e bloqueadores e interagir com médicos e também com o marido, Thales Bretas. À noite, no entanto, sofreu uma embolia pulmonar.

Hospital onde está internado Paulo Gustavo em Copacabana teve movimentação intensa nesta terça — Foto: Marcos Serra Lima/G1

Hospital onde está internado Paulo Gustavo em Copacabana teve movimentação intensa nesta terça — Foto: Marcos Serra Lima/G1

O que é embolia?

Fístula broncovenosa é um tipo de abertura que ocorre entre os pulmões e as veias e, que no caso do ator, acarretou a entrada de ar na corrente sanguínea, a chamada embolia gasosa.

Já a embolia é um tipo de obstrução pelo acúmulo de material (sangue, ar, liquido amniótico) trazido pela corrente sanguínea (êmbolo). No caso da embolia pulmonar, ela se dá pela obstrução de uma artéria do pulmão.

“A família do ator continua agradecendo todo o carinho e pedindo orações dirigidas ao Paulo Gustavo, assim como às demais pessoas acometidas por essa doença terrível”, acrescenta a nota.

Movimentação no hospital

A notícia da piora levou parentes e amigos de Paulo Gustavo ao hospital nesta terça-feira.

No início da tarde, a mãe Dea Lúcia, e o pai, Júlio Marcos, foram vistos no hall de entrada do hospital. Eles permaneceram até as 19h50, horário em que foi divulgado novo boletim médico que falava sobre irreversibilidade do estado de saúde de Paulo.

Por volta das 19h30, o empresário e amigo do ator, Anderson Baumgartner, também chegou ao Copa Star, mas não falou com a imprensa.

Movimentação em frente ao Hospital Copa Star, onde está internado Paulo Gustavo, nesta terça-feira (4) — Foto: Marcos Serra Lima/G1

Movimentação em frente ao Hospital Copa Star, onde está internado Paulo Gustavo, nesta terça-feira (4) — Foto: Marcos Serra Lima/G1

A comoção também atraiu fãs e curiosos para a porta do hospital. Eles queriam saber sobre a evolução do quadro de saúde, falavam de orações e torcida para que o ator se recupere.

Também houve que passasse de carro gritando “força, Paulo Gustavo “.

Nas redes sociais, amigos como as atrizes Claudia Raia e Tatá Werneck escreveram sobre a angústia de ver o humorista com o quadro agravado, mas demonstraram esperança pela recuperação.

“Meu amor, @paulogustavo31 desejo profundamente que você se recupere, tenho certeza que em breve você estará nos fazendo sorrir. Confesso que não vejo a hora receber essa notícia tão aguardada, te dar um abraço bem apertado e dizer o quanto eu te amo! Sigo orando e acreditando na sua recuperação, Deus está acima de qualquer coisa. O Brasil precisa da sua arte, da sua luz e alegria! Sigo em oração, te amo”, escreveu Claudia Raia.

Quase 2 meses internado

Em 52 dias de internação – até esta terça –, Paulo Gustavo enfrentou diversas complicações provocadas pela Covid-19.

Em 19 de março, ele apresentou melhora no quadro geral, o que poderia indicar uma recuperação. Três dias depois, no entanto, a situação regrediu e o ator, roteirista e comediante precisou ser intubado.

Na ocasião, a nota médica informou que ele “necessitou entrar em ventilação mecânica invasiva, para ser tratado de forma mais segura”.

Em 2 de abril, o quadro de Paulo Gustavo piorou e ele passou a utilizar uma terapia que se assemelha ao uso de um pulmão artificial (Ecmo).

Naquele dia, texto divulgado pela assessoria do artista informou que o ator chegou a apresentar sinais de melhora, “mas devido ao agravamento do quadro clínico, teve que evoluir à terapia por ECMO – Oxigenação por Membrana Extracorpórea”.

Paulo Gustavo e marido, Thales Bretas — Foto: Reprodução/Redes sociais

Paulo Gustavo e marido, Thales Bretas — Foto: Reprodução/Redes sociais



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia