WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

prefeitura de pocoes



abril 2021
D S T Q Q S S
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  


cobra produtora marcus solla acougues angelica fabricio

:: ‘Destaque1’

Quadrilha explode agência bancária e dispara contra sede da PM

Foto: Reprodução / Blog do Marcos Frahm

Em um terceiro ataque a banco na semana, uma quadrilha explodiu um agência do Bradesco de Itiruçu, no Vale do Jiquiriçá. O ataque ocorreu na madrugada desta quinta-feira (8), menos de 48 horas depois da explosão de um banco em Abaré, na divisa da Bahia com Pernambuco.

Segundo o Blog do Marcos Frahm, a ação ocorreu por volta das 2h30 e envolveu um grupo de homens armados e encapuzados. Eles chegaram na cidade a bordo de um veículo e se dirigiram à agência, situada na Rua Juscelino Kubitschek. No local fizeram vários disparos e detonaram os explosivos.

Ainda segundo o site, apesar do pânico causado, não há registro de feridos entre os moradores. Há registro também de disparos na sede da Polícia Militar da cidade. Até o momento não se sabe se os assaltantes levaram alguma quantia. Antes de Itiruçu, agências bancárias sofreram ataques em Campo Alegre de Lourdes, no Sertão do São Francisco e Abaré, na divisa com Pernambuco

Bahia Notícias

Vitoria da CONQUISTA | Polícia Federal cumpre mandados de busca e apreensão contra emigração ilegal

A Polícia Federal deflagrou, nesta quinta-feira (08) a Operação London Eye (Olho de Londres), para combater crimes relacionados a falsificação de passaporte brasileiro e emigração (saída espontânea de um país) ilegal para o Reino Unido. Pelo menos doze Policiais Federais cumprem três mandados de busca e apreensão e dois mandados de medidas cautelares na cidade de Vitória da Conquista.

A operação parte de uma investigação iniciada em março deste ano quando um cidadão foi detido ao emitir um passaporte brasileiro com nome falso no posto do SAC de Vitória da Conquista/BA.

Outro brasileiro também já havia praticado a mesma fraude e teria emigrado, ilegalmente, para a Inglaterra, onde requereu visto de permanência com base em união familiar a partir do documento falso, informou a PF. O benefício migratório seria embasado na nova filiação criada pelos falsificadores.

Duas irmãs, com nacionalidade brasileira e italiana, que residem na Inglaterra, permitiam que usassem seus nomes na condição de mãe dos envolvidos para facilitar a obtenção do visto. Durante o cumprimento das buscas, foram apreendidos celulares, documentos, cartões bancários e, ainda, uma arma sem registro e entorpecentes. As investigações estão sendo acompanhadas pela INTERPOL.

Urgente: Pessoas que tiveram casos leves de Covid podem ter sintomas mais fortes na reinfecção, aponta Fiocruz

G1 – Pessoas que tiveram formas leves da Covid-19 podem sofrer reinfecção e desenvolver casos mais graves, aponta um estudo liderado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). De acordo com a pesquisa divulgada nesta quarta-feira (7), os pacientes assintomáticos ou com formas brandas da doença não chegaram a desenvolver a imunidade necessária para evitar uma nova infecção.

A descoberta faz parte do estudo ‘Evidência genética e resposta imunológica do hospedeiro em pessoas reinfectadas com Sars-CoV-2’, coordenado pelo pesquisador da Fiocruz Thiago Moreno, do Centro de Desenvolvimento Tecnológico em Saúde (CDTS). A investigação será publicada em maio na revista Emerging Infectious Desease (EID), dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos.

Desde março de 2020, quando teve início a pandemia, os pesquisadores acompanharam semanalmente um grupo de 30 pessoas até o fim do ano de 2020. Do grupo inicial, quatro contraíram o vírus da Covid-19, sendo que algumas foram infectadas pela mesma variante.

“O caso de ser infectado pela mesma variante acontece porque o paciente não teria criado uma memória imunológica. No caso de uma outra cepa, ela “escaparia” da vigilância, não seria reconhecida pela memória gerada anteriormente por ser um pouco diferente”, aponta a Fiocruz.

Reinfecção com sintomas mais fortes
A primeira infecção dos quatro casos relatados no estudo se deram de forma branda enquanto que na reinfecção os sintomas foram mais fortes e mais frequentes. Em nenhum dos casos observados foi necessário a hospitalização.

“Essas pessoas só tiveram de fato a imunidade detectável depois da segunda infecção. Isso leva a crer que para uma parte da população que teve a doença de forma branda não basta uma exposição ao vírus, e sim mais de uma, para ter um grau de imunidade”, conta Moreno. “Isso permite que uma parcela da população que já foi exposta sustente uma nova epidemia”

Segundo Moreno, não é possível descartar a possibilidade de uma terceira infecação, já que não se sabe ao certo quanto tempo dura a imunidade pós-Covid.

“Uma pessoa poderia ficar vulnerável a uma nova reinfecção ou mesmo a contrair uma variante diferente”, explica.

Noticia: Vereadores são sequestrados e tem carro incendiado

Foto/Reprodução
Foto/Reprodução

Dois vereadores de Caldeirão Grande, no centro-norte baiano, foram sequestrados por homens armados no município de Caldeirão Grande, microrregião de Jacobina, na noite dessa terça-feira (06/04).

Sob a mira de arma de fogo, Anatália Rios (PT) e Vagner Oliveira (PSC) foram levados para um matagal, onde foram liberados. A autoria e motivação do crime será investigada.

Os parlamentares haviam acabado de participar de uma sessão na Câmara Municipal e retornavam para suas residências, no distrito de Vila Cardoso, quando o veículo em que estavam foi interceptado por homens armados.

Depois de serem levados ao matagal, eles conseguiram fugir e acionar a Polícia Militar, que rapidamente fez o resgate dos dois. Antes de deixar local, os sequestradores teriam ateado fogo ao veículo. PMs fizeram buscas para localizar e capturar os criminosos, mas ainda não há informações sobre os suspeitos. A Polícia Civil deve iniciar uma investigação para identificar os autores do ataque, caso não sejam presos durante as diligências da PM.

Uma Empresa investigada por desvios na saúde tem contrato prorrogado com prefeitura de Salvador

...

 Divulgacao
A prefeitura de Salvador prorrogou na última terça-feira (6) o contrato para gestão da Unidade de Pronto Atendimento da San Martin com o Instituto Brasileiro de Desenvolvimento da Administração Hospitalar (IBDAH). A empresa é investigado no âmbito da Operação Metástase por suspeita de integrar esquema de desvio de recursos públicos do Hospital Regional de Juazeiro, assunto que eclodiu no noticiário em novembro do ano passado (entenda aqui, aqui, aqui e aqui).
A informação consta na edição da última terça do Diário Oficial do Município (DOM). O documento foi assinado na última quinta-feira (1º) pelo subsecretário municipal de Saúde (SMS), Decio Martins Mendes Filho. O vínculo, assinado inicialmente em 2017, foi prorrogado por mais 12 meses, por um valor anual estimado de R$ 14.906.006,04 e com término previsto para 30 de março de 2022. Contudo, segundo a SMS, em nota enviada ao Bahia Notícias, a prorrogação foi feita enquanto está em curso o processo de chamamento público para contratar uma Organização Social para atuar na “gestão, planejamento, operacionalização e execução das ações e serviços de saúde da UPA San Martin, visando a regular substituição do contrato antigo, dentro do seu prazo de vigência.”
Segundo a pasta, a prorrogação se deu “por haver prazo e necessidade da continuidade dos serviços” da IBDAH na unidade de saúde. Esta extensão de vínculo chamou atenção do Ministério Público da Bahia (MP-BA), que enviou um ofício à prefeitura solicitando informações acerca da extensão, conforme informou a assessoria de imprensa do parquet. Contudo, o BN não obteve acesso ao documento até a publicação desta matéria.
No dia 4 de janeiro deste ano, o Bahia Notícias trouxe à tona a informação de que o instituto gestor da UPA da San Martin teria comprado uma decisão judicial nas mãos da desembargadora Lígia Ramos, presa por supostamente comercializar sentenças no Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA). A informação está na denúncia feita pelo Ministério Público Federal (MPF) contra a magistrada e outras cinco pessoas, pelo crime de organização criminosa, no âmbito da Operação Faroeste (veja aqui e aqui), que investiga esquema de venda de decisões com participação de desembargadores e juízes da Corte.
Segundo os procuradores do MPF, o processo do IBDAH está entre os quatro sob relatoria de Lígia que foram negociados pela organização. Delator na Faroeste, o advogado Júlio César Cavalcanti Ferreira relatou que a instituição comprou um mandado de segurança por R$ 150 mil.
Conforme a denúncia, o valor seria recebido pelo advogado Rafael Júnior, em um mecanismo de lavagem de dinheiro idealizado pelo também advogado Rui Barata Lima Filho, filho de Lígia e considerado operador financeiro da mãe no esquema.
INÍCIO DE TUDO
O esquema ganhou notoriedade quando, no dia 25 de novembro, o BN obteve acesso a sentenças em sigilo de Justiça. A investigação liga o IBDAH à Associação de Proteção a Maternidade e Infância de Castro Alves (APMI). Ambas seriam controladas por Alex Oliveira de Carvalho, conhecido como “chefe” e “patrão” no esquema ilícito.
Conversas conseguidas por meio de interceptações telefônicas o apontam como “centralizador de todas as decisões, especialmente as financeiras” na organização que é suspeita de fraude em licitações e desvio de recursos públicos destinados à gestão do Hospital Regional de Juazeiro.
A força-tarefa da Metástase apurou que a organização criminosa investigada passou a dominar a gestão de inúmeras unidades da rede estadual de saúde sob gestão indireta. Com fraudes nas licitações públicas, eles usavam diferentes Organizações Sociais de Saúde, que, na verdade, são controladas pelo mesmo grupo empresarial. Ou seja, eram registradas em nome de “laranjas”.
No processo, Alex Oliveira teria “grande proximidade” com Viviane Chicourel, ex-diretora da Rede Própria Sob Gestão Indireta (DIRP-GI) da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) (leia mais aqui). Em janeiro, ela teve a prisão domiciliar decretada e usa tornozeleira eletrônica (leia mais aqui). Antes, ela já estava detida após pedido de prisão preventiva do juiz federal Pablo Baldivieso, da comarca de Eunápolis, substituto na comarca de Juazeiro (leia mais aqui).
RELAÇÃO DO IBDAH COM A PREFEITURA
Atualmente, o instituto possui três contratos ativos com a gestão da capital baiana. Além da UPA da San Martin, a empresa gere outra no bairro de São Marcos. A OS também administra espaços habilitados para o SUS no Hospital 2 de Julho – os dois últimos contratos vencem em maio deste ano.
Desta forma, até o momento, segundo o portal da transparência de Salvador, o IBDAH recebeu, somente nestes três contratos, R$ 121.145.558,32. Os três vínculos foram firmados entre 2016 e 2017, ainda sob a gestão do ex-prefeito ACM Neto (DEM).
Em nota, a SMS ressalta que, para rescindir o contrato com o IBDAH, “deve existir um fato objetivo havido na execução do próprio contrato com a SMS, circunstância que, no caso concreto, não há.”
Ainda de acordo com a pasta, o processo de prorrogação de contrato foi submetido à prévia análise da Procuradoria-Geral do Município (PGM). “Merece registro que todos os contratos de gestão das unidades de saúde do Município são rigorosa e sistematicamente acompanhados pela SMS, através das Comissões de Fiscalização e Acompanhamento aos Contratos de Gestão, que exercem controle sobre a prestação de contas mensais e, com frequência regular, sobre a execução dos serviços”, acrescenta a SMS, em trecho da nota de resposta.

MALA RECEBE Rondesp a tiros no Bairro Pedrinhas final CPF cancelado

Um suspeito ainda não identificado , morreu em confronto com a Rondesp, na noite desta quarta-feira (07), no Bairro Pedrinhas em  Vitória da Conquista.

As primeiras informações dão conta de que a polícia foi recebida a tiros pelo suspeito. Ele foi alvejado e encaminhado ao hospital de Base, onde foi confirmada a morte.

É #FAKE que Anvisa liberou Ivermectina e ainda ampliou sua dosagem para tratamento de Covid-19

Circula pelas redes sociais o vídeo de uma médica que diz que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou e dobrou a dose recomendada de Ivermectina para tratamento da Covid-19. É #FAKE.

A Anvisa não liberou a Ivermectina para uso em casos de Covid-19, como diz a médica. O que a agência decidiu, em setembro do ano passado, foi dispensar a retenção de receita para compra do remédio nas farmácias.

“Verificou-se que os medicamentos Ivermectina e Nitazoxanida, no momento, não se encontram sob ameaça de desabastecimento de mercado. A alteração foi adotada visando garantir o acesso da população ao tratamento de verminoses e parasitoses bastante conhecidas e bem significativas”, disse a agência, na ocasião.

A decisão de reter as receitas tinha sido tomada em julho porque a procura pelo medicamento para “prevenir” a Covid causou uma grande procura por ele e levou à falta do remédio nas farmácias, preocupando pacientes que precisavam dele para tratar doenças causadas por vermes e parasitas para as quais ele é receitado. Já a Covid-19 é causada por um vírus.

A Ivermectina faz parte do chamado “kit covid”, que consiste em uma série de medicamentos sem eficácia contra a doença, mas que, mesmo assim, têm sido defendidos e receitados por alguns médicos. Esse kit, também chamado de tratamento precoce, é criticado por médicos e entidades médicas brasileiras e internacionais pois não há, até o momento, remédio capaz de prevenir a infecção pela doença, ao contrário do que dizem os defensores do kit.

Procurada pelo G1, a Anvisa esclarece que o uso da Ivermectina é indicado apenas para as finalidades que constam de sua bula. E a Covid-19 não é uma das doenças para as quais o remédio tem eficácia comprovada.

“A Anvisa avalia e aprova a indicação que consta na bula dos medicamentos. O único medicamento com indicação em bula aprovada pela Anvisa para tratamento de Covid é o Remdesivir. Isso significa que este é o único medicamento para o qual o fabricante apresentou estudos conclusivos que demonstraram a eficácia contra Covid19.”

Ainda assim, o antiviral pode ser usado somente em pacientes internados com pneumonia e em suporte de oxigênio, sem ventilação mecânica, e não é vendido em farmácias.

“Outros medicamentos têm sido utilizados em protocolos de teste contra a doença. Este é o uso conhecido como off label e não é regulado pela Anvisa.”

De acordo com a bula, a “Ivermectina é indicada para o tratamento de várias condições causadas por vermes ou parasitas”. E indica o medicamento para tratar:

  • Estrongiloidíase intestinal: causada por um parasita denominado Strongyloides stercoralis.
  • Oncocercose: causada por um parasita denominado Onchocerca volvulus.
  • Filariose (elefantíase): causada pelo parasita Wuchereria bancrofti.
  • Ascaridíase (lombriga): causada pelo parasita Ascaris lumbricoides.
  • Escabiose (sarna): causada pelo ácaro Sarcoptes scabiei.
  • Pediculose (piolho): causada pelo ácaro Pediculus humanus capitis

A própria fabricante da Ivermectina, a farmacêutica Merck, fez um comunicado informando que não há dados disponíveis que sustentem a eficácia do medicamento contra a Covid-19. Fonte: G1

Com mais de 8 mil mortos em 48h, Brasil passa de 340 mil óbitos por Covid-19 País registrou 3.829 mortes e 92.625 novos casos da doença nas últimas 24h

Cemitério em Manaus (AM) durante a pandemia da Covid-19O Brasil registrou, nesta quarta-feira (7), 92.625 novos casos de Covid-19, chegando ao total de 13.193.205 contaminados pela doença. Nas últimas 24 horas, 3.829 pessoas morrem vítimas da doença, e o país já acumula 340.776 mortes causadas pela pandemia do novo coronavírus, segundo informações divulgadas pelo Conass (Conselho Nacional de Secretários da Saúde).

Nesta terça-feira (6), o Brasil registrou o maior número de óbitos, ultrapassando pela primeira vez as 4 mil mortes, foram 4.195 vítimas registradas em apenas 24 horas. Esta é primeira vez que o país registra mais de 8 mil mortos no período de 48 horas.

São Paulo segue como o estado brasileiro com maior número de casos e de vítimas da doenças, já são mais de 79 mil mortes e mais de 2 milhões de contaminados.

Depois de São Paulo, os estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina lideram, respectivamente, no número de casos e mortes gerados pela Covid-19 no Brasil.

Em São Paulo, o governador João Doria (PSDB), anunciou nesta quarta-feira (7) a ampliação do Programa Estadual de Vacinação (PEI) ao grupo de idosos de 67 anos, que serão vacinados a parir do dia 14 de abril. Os paulistas entre 65 e 66 anos também serão imunizados nesta nova etapa da campanha de vacinação, que começa no dia 21 de abril para este grupo.

Já na Paraíba, uma universidade particular de Campina Grande, recebeu autorização da Justiça para importar doses de vacina contra a Covid-19 e imunizar alunos e funcionários. A instituição é a primeira universidade privada do país a conseguir esse tipo de consentimento.

As projeções feitas por especialistas ouvidos pela CNN, de que abril deve ser um mês ainda mais letal que março, quando morreram 66,8 mil pessoas vitimadas pela Covid-19, número recorde desde o início da pandemia, começam a se concretizar.

A média diária de óbitos nos seis primeiros dias de abril já supera em 19,23% a de março. Isso representa mais de 400 mortes a mais por dia.

Alexandre Garcia: “Um alerta de perigo para a democracia brasileira” “Quando liberdades garantidas pela Constituição são feridas, a democracia é atingida”

 (crédito: Maurenilson Freire/CB/D.A Press)
(crédito: Maurenilson Freire/CB/D.A Press)

O mês de abril entrou com um alerta de perigo para a democracia brasileira. Seis presidenciáveis assinaram um manifesto, que saiu nos jornais do dia 1º. Mandetta, Ciro, Doria, Leite, Amoedo e Huck. Não constam as assinaturas de Lula, Moro e Bolsonaro. O manifesto afirma que “a democracia brasileira é ameaçada”, uma constatação tardia: há tempo que estão presos, por crime de opinião, um jornalista e um deputado federal — no que o Brasil se assemelha à Venezuela. A ameaça torna-se mais consistente com o silêncio da mídia a respeito do jornalista e com a anuência do próprio Legislativo a que pertence o deputado.

O manifesto adverte sobre “submissão arbitrária do indivíduo ao Estado…respeito aos direitos individuais… excesso, abuso, intimidação”. Mas, ironicamente, os dois governadores que o subscrevem baixaram medidas que atingem direitos fundamentais do artigo 5º, cláusula pétrea da Constituição, como liberdade de locomoção, de trabalho, de reunião, de culto. A prisão do deputado infringiu a inviolabilidade do mandato prevista no art. 53 da Constituição e o asilo inviolável da casa, também do art. 5º. A censura e a prisão do jornalista feriram a liberdade de manifestação, da mesma cláusula pétrea, e as liberdades de expressão e informação, garantidas pelo art. 220.

Quando liberdades garantidas pela Constituição são feridas, a democracia é atingida. O manifesto constata que “não há liberdade sem justiça”. Aí vem a lembrança de que se anularam condenações por corrupção, resultado de julgamentos em três instâncias da Justiça. E ainda houve um julgamento por suspeição do juiz que presidiu na primeira instância os processos anulados — com base em provas obtidas por meios ilícitos —, o que é inadmissível, como está no pétreo art. 5º.

O manifesto registra que democracia é direito ao voto. Por três vezes, os legisladores criaram um comprovante que garantisse o voto digitado na urna eletrônica — por três vezes as leis foram derrubadas pela Justiça: projetos de Roberto Requião (MDB), Flávio Dino (PCdoB) e Brizola Neto (PDT) e Bolsonaro (PP). O PSDB, após derrota de Aécio, constatou que a urna eletrônica não comporta auditagem. Ora, a insegurança no direito do voto também é perigo para a democracia. O manifesto não “dá o nome aos bois” nem registra os atos que motivaram o alerta, mas alguns indícios mais evidentes estão na nossa cara. Perigo é a passividade, que rima, mas não se mistura com liberdade.

SALVADOR-Dona de bar é executada a tiros; assassinos a chamaram pelo apelido

303057-IMAGEM_NOTICIA_0

A dona de um bar de 48 anos foi morta a tiros, na Rua Recanto das Mangueiras, no bairro de Pau da Lima, localidade da Portelinha, em Salvador, na terça-feira (6/4).

De acordo com reportagem da RecordTV Itapoan, a vítima foi identificada como Kátia Silene da Silva, conhecida no bairro como “D. Kinha”.
Segundo relato de populares, os suspeitos chegaram armados ao bar e chamaram a vítima pelo apelido. A mulher atendeu ao chamado e foi atingida por vários disparos à queima roupa. O crime será investigado pela 2ª Delegacia de Homicídios Central.



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia