WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

prefeitura de pocoes



junho 2022
D S T Q Q S S
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  


cobra produtora marcus solla acougues angelica

:: 12/jun/2022 . 17:24

Prefeitura de cidade na BA proíbe realização de festejos juninos e estabelece toque de recolher

A prefeitura de Serra Dourada, no oeste da Bahia, publicou decreto neste sábado (11) proibindo a realização de festejos juninos no município, sejam públicos ou particulares. A medida, que já está em vigor e é válida por 30 dias, tem como objetivo evitar o aumento dos casos de Covid-19.

A gestão também estabeleceu toque de recolher de 0h às 5h, em todo o município. A exceção é para quem trabalha nas áreas de segurança e saúde, em horário de trabalho, para compra de medicamentos ou deslocamentos a unidades de saúde.

Conforme a publicação, bares, quiosques, e outros estabelecimentos do tipo, só poderão funcionar até as 23h59, sem uso de equipamento sonoro que possa gerar aglomerações.

Serra Dourada, no oeste da BA — Foto: Prefeitura de Serra Dourada

A administração municipal proibiu a emissão de alvarás contrários a estas decisões e suspendeu outros já emitidos, até que os casos de Covid-19 comecem a baixar.

O decreto recomenda uso de máscaras no município, sobretudo em ambientes fechados, mas não determina obrigatoriedade do equipamento de proteção. Além disso, orienta que os moradores evitem sair de casa sem necessidades essenciais, a fim de reduzir a possibilidade de contágio.

Conforme boletim da prefeitura , atualmente a cidade tem 57 casos ativos da doença. Uma pessoa precisou ser levada para o Hospital do Oeste, em Barreiras, na mesma região, devido a gravidade do quadro de saúde. Até o último dia 3, Serra Dourada tinha apenas 3 casos ativos.

Serra Dourada, no oeste da BA  — Foto: Prefeitura de Serra Dourada

Serra Dourada, no oeste da BA — Foto: Prefeitura de Serra Dourada

O município, que tem população estimada em pouco mais de 18 mil habitantes, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), registrou 23 óbitos pela doença, desde o início da pandemia.

Em meio a um aumento de casos de Covid-19 na Bahia, a Secretaria de Saúde (Sesab) divulgou, na quarta-feira (8), que das 11,6 milhões de pessoas vacinadas com as 1ª e 2ª doses contra a Covid-19 no estado, cerca de 6,1 milhões não voltaram aos postos para reforçar a imunização.

Serra Dourada, no oeste da BA  — Foto: Prefeitura de Serra Dourada

Serra Dourada, no oeste da BA — Foto: Prefeitura de Serra Dourada

SP confirma segundo caso de varíola dos macacos no Brasil


Confirmado primeiro caso de varíola dos macacos no Brasil

Confirmado primeiro caso de varíola dos macacos no Brasil

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo confirmou o segundo caso de varíola dos macacos no Brasil. Trata-se de um homem de 29 anos que viajou à Europa e está isolado em sua casa em Vinhedo, interior de São Paulo.

A Vigilância Epidemiológica do município, em parceria com o governo do estado, monitora o caso e seus respectivos contatos.

O caso é considerado importado, já que o paciente tem histórico de viagem para Portugal e Espanha e teve os sintomas e as primeiras lesões na pele ainda na Europa. O resultado positivo só foi confirmado por um laboratório espanhol após o desembarque no Brasil, ocorrido no dia 8 de junho.

O primeiro caso da doença no país foi confirmado na quinta-feira (9) pelo Instituto Adolfo Lutz. O paciente, um homem de 41 anos que viajou à Espanha, segundo país com o maior número de casos da doença, foi colocado em isolamento no Instituto de Infectologia Emílio Ribas, na Zona Oeste da capital. Ele tem bom estado clínico.

Em relato à TV Globo, o paciente afirmou que está bem. “Eu já contei 60 feridas, mas estou ótimo. Não há motivos para pânico. Eu não vejo a hora de sair daqui para voltar ao trabalho. Aliás, eu já até trabalhei daqui do hospital.”

Todas as pessoas que tiveram contato com o paciente estão sendo monitoradas.

“Não estou preocupado em ser visto como o primeiro brasileiro com varíola dos macacos. Quero poder mostrar às pessoas que estou bem, que fui e estou sendo cuidado por excelentes médicos. Que um momento de dor sirva para a ciência brasileira desenvolver proteção a todos. A melhor proteção é a informação verdadeira. Sou a favor da ciência e aceito participar de pesquisas”, afirmou.

Além deste caso, a Prefeitura de São Paulo informou que monitora o estado de saúde de uma mulher de 26 anos, sem histórico de viagem ao exterior, hospitalizada com suspeita de ter contraído a doença. Segundo o prefeito Ricardo Nunes (MDB), a paciente passa bem. Familiares e pessoas próximas à ela também estão sendo acompanhados pela gestão municipal.

Em nota divulgada na quarta (8), o Ministério da Saúde informou que oito casos estão em investigação em todo o país. Segundo a pasta, Ceará, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul e São Paulo têm um caso suspeito cada um, e há ainda dois casos em monitoramento em Rondônia e outros dois em Santa Catarina.

No domingo (5), a Organização Mundial da Saúde (OMSinformou ter confirmado 780 casos de varíola de macacos em todo o mundo. Os dados correspondem ao intervalo entre 13 de maio e 2 de junho e leva em conta apenas pacientes identificados em locais em que a doença não é endêmica. Segundo a entidade, não houve mortes relatadas

Varíola dos macacos: veja 5 pontos sobre a doença

Nota Secretaria da Saúde

A Secretaria de Estado da Saúde informa que foi identificado o segundo caso de Monkeypox no Brasil. Trata-se de um homem de 29 anos que está isolado em sua residência em Vinhedo, interior de São Paulo. A Vigilância Epidemiológica do município, em parceria com o Estado, monitora o caso e seus respectivos contatos.

O caso é considerado importado, já que o paciente tem histórico de viagem para Portugal e Espanha e teve os sintomas e as primeiras lesões na pele ainda na Europa. O resultado positivo só foi confirmado por um laboratório espanhol após o desembarque no Brasil, ocorrido no dia 8 de junho.

O primeiro caso da doença no país foi confirmado nesta quinta-feira (9). É um morador da Capital, de 41 anos, que está internado no Instituto de Infectologia Emílio Ribas com boa evolução do quadro clínico.

O Centro de Vigilância Epidemiológico (CVE) estadual e a prefeitura de São Paulo também investigam desde a semana passada um outro paciente, uma mulher de 26 anos, também moradora da Capital.

Sobre Monkeypox (varíola do macaco)

A Monkeypox é uma doença viral rara transmitida pelo contato próximo/íntimo com uma pessoa infectada e com lesões de pele. Este contato pode ser exemplo pelo abraço, beijo, massagens, relações sexuais ou secreções respiratórias próximos e por tempo prolongado. A transmissão também ocorre por contato com objetos, tecidos (roupas, roupas de cama ou toalhas) e superfícies que foram utilizadas pelo doente. Não há tratamento específico, mas de forma geral os quadros clínicos são leves e requerem cuidado e observação das lesões.

Os primeiros sintomas podem ser febre, dor de cabeça, dores musculares e nas costas, linfonodos inchados, calafrios ou cansaço. De 1 a 3 dias após o início desses sintomas, as pessoas desenvolvem lesões de pele que podem estar localizadas em mãos, boca, pés, peito, rosto e ou regiões genitais.

Prevenção:

– Evitar contato próximo/íntimo com a pessoa doente até que todas as feridas tenham cicatrizado;

– Evitar o contato com qualquer material, como roupas de cama, que tenha sido utilizado pela pessoa doente.

– Higienização das mãos, lavando-as com água e sabão e/ou uso de álcool gel.

Mundo

 

OMS disse que a varíola dos macacos traz um “risco moderado” para a saúde pública mundial depois que casos foram relatados em países onde a doença não é endêmica.

“O risco para a saúde pública pode se tornar alto se esse vírus se estabelecer como um patógeno humano e se espalhar para grupos mais propensos a risco de doenças graves, como crianças pequenas e pessoas imunossuprimidas”, disse a OMS.

A organização diz que não há recomendação de uso de vacina da varíola para casos de varíola dos macacos.

Sintomas e transmissão

 

Imagem de microscópio mostra vírus causador da varíola do macaco — Foto: Cynthia S. Goldsmith, Russell Regner/CDC via AP

Imagem de microscópio mostra vírus causador da varíola do macaco — Foto: Cynthia S. Goldsmith, Russell Regner/CDC via AP

Os sintomas iniciais da varíola dos macacos costumam ser febre, dor de cabeça, dores musculares, dor nas costas, gânglios (linfonodos) inchados, calafrios e exaustão.

“Depois do período de incubação [tempo entre a infecção e o início dos sintomas], o indivíduo começa com uma manifestação inespecífica, com sintomas que observamos em outras viroses: febre, mal-estar, cansaço, perda de apetite, prostração”, explica Giliane Trindade, virologista e pesquisadora do Departamento de Microbiologia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Dentro de 1 a 3 dias (às vezes mais) após o aparecimento da febre, o paciente desenvolve uma erupção cutânea, geralmente começando no rosto e se espalhando para outras partes do corpo.

 

“O que é um diferencial indicativo: o desenvolvimento de lesões – lesões na cavidade oral e na pele. Elas começam a se manifestar primeiro na face e vão se disseminando pro tronco, tórax, palma da mão, sola dos pés“, completa Trindade, que é consultora do grupo criado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações para acompanhar os casos de varíola dos macacos.



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia