“Pequenos resíduos” de óleo foram encontrados em Belmonte, segundo o vice-almirante André Luiz Silva Lima de Santana Mendes, comandante do 2º Distrito Naval, durante entrevista à rádio A Tarde na capital baiana.

“São pequenas pelotas mais para o sul, mas por que se faz isso? Temos que acompanhar preventivamente. Não apenas demando esforços depois que o óleo chega”, afirmou o comandante.

Silva Lima disse que a força-tarefa envolvendo, além da Marinha, o Ibama e a Petrobras, trabalha com três frentes: patrulhas terrestres, navios e aviões desde Caravelas até o Maranhão, diariamente.

“É um fenômeno raríssimo. Inédito! Nunca ocorreu no mundo. Isso tem dificultado em muito”, completou.


Reprodução: ICMBio

Manchas chegam em praia de Comandatuba

O município de Una, no litoral sul, também registrou presença das manchas de óleo chegadas à praia de Comandatuba, onde pescadores encontraram 40 quilos de óleo, segundo o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). O material estava flutuando no local. Outra mancha também foi encontrada na areia da praia, e retirada por um hotel que fica na região.

O problema foi notado nesta segunda-feira (28). Com isso, sobe para 19 o número de cidades baianas afetadas desde que as manchas chegaram no litoral baiano, no começo do mês.

No país, as manchas já são monitoradas desde o final de agosto/começo de setembro.

Por: CliC101 | BN