Grupo trabalhava em atividades diversas e recebia diárias entre R$ 20 e R$ 50

(Foto: reprodução/Agência Brasil/EBC)

Redação VN
[email protected]
Trabalhadores rurais foram resgatados de condições análogas à escravidão, na terça-feira (16), em uma van clandestina, na BR-101, em Teixeira de Freitas, no sul da Bahia, por uma equipe da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Segundo informações do Ministério Público do Trabalho (MPT), nesta quarta (17), os 18 lavradores tinham fugido do município de Boa Esperança, no Espírito Santo, por conta do trabalho em condições precárias.
O grupo estava indo em direção à cidade de Piranhas, no interior do Alagoas, sem dinheiro e contando com a ajuda de terceiros. Os trabalhadores contaram que foram enganados por um homem que prometeu trabalho na colheita de café, com diárias que poderiam chegar a R$ 100. Ao chegar no local, em 1º de julho, em um ônibus clandestino, os homens foram alojados em uma casa sem condições de higiene e sem mobiliário. Eles trabalhavam em atividades diversas e recebiam diárias entre R$ 20 e R$ 50.
Em depoimento no Ministério Público do Trabalho de Eunápolis, os trabalhadores contaram que eles tiveram que pagar pelas ferramentas que usavam, comida, aluguel do imóvel, água, energia elétrica e ainda arcaram com os custos da viagem de ida. Eles não tiveram o trabalho registrado nas carteiras profissionais.
Segundo o MPT, o grupo recebeu ajuda da população para se alimentar e a van para voltar para Alagoas foi oferecida por um vereador da cidade. O caso será remetido para a unidade do MPT do Espírito Santo.

Varela Notícias