Na manhã desta terça-feira (11) agentes dos Simtrans com escolta da Polícia Militar voltaram a apreender vans que fazem o chamado “transporte alternativo”, agora definido pelo Prefeitura como transporte “clandestino”.

Nas redes sociais circulou uma foto mostrando uma blitz no cruzamento da avenida Frei Benjamim com a rua de acesso ao aeroporto. “A coisa mais feia que eu vejo é um carro de polícia com giroflex correndo atrás de um trabalhador, se não podia cumprir a promessa não deveria ter feito”, criticou um usuário de van no programa do Brasil Notícias (Brasil FM).

Após eleger-se com o apoio dos vanzeiros prometendo legalizar o transporte “alternativo”, o prefeito decretou guerra às vans e promete que a fiscalização vai ser cada dia mais dura, “não vamos aceitar desordem e desobediência civil, não haverá flexibilização”, afirmou em entrevista.  Herzem disse ainda que os vanzeiros provaram em uma reunião dentro da prefeitura, que “não querem legalização, querem a desordem, querem é ficar pegando passageiro de forma desordenada”.

A prefeitura prometeu fazer outro “estudo”, mesmo já tendo gasto 30 mil reais com um estudo anterior que na verdade já demonstrava a inviabilidade da implementação do transporte complementar nos moldes prometido e desejado pelos vanzeiros. Após entregar o monopólio do transporte público para a Cidade Verde, aumentar a passagem de ônibus e barrar o transporte alternativo, a prefeitura enviou à Câmara de Vereadores um projeto para isentar a empresa de ônibus de pagar o ISS. Desde que assumiu o lote da Viação Vitória, a Cidade Verde e Prefeitura prometem “10 ônibus novos” que “estão chegando ” desde o dia 29 de julho, mas até o momento nada.

 

Fonte: Blog do Caique Santos