O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), o “santo” das planilhas da Odebrecht, que ofereceu reforço policial para a prisão ilegal do ex-presidente Lula nesta sexta-feira 6, agora diz que desconhece Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, que ele mesmo nomeou diretor da Dersa.

“Na realidade, no meu governo não teve nenhum problema [de corrupção]. Aliás, nós que investigamos. Foi a Dersa que investigou [as acusações de desvio de dinheiro] e levou ao Ministério Público”, disse Alckmin durante inauguração de quatro estações da linha 10-prata do metrô, conforme relato da Folha.

Paulo Preto foi preso nesta sexta, acusado de desvios de recursos nas obras do Rodoanel. Seu nome foi ligado a quatro contas na Suíça que continham R$ 113 milhões. Ele é apontado como operador do PSDB.