Albertina Martinez Burgos. Foto: Izquierdaweb/Reprodução

A declaração foi dada pelo coletivo Ni una menos: “Albertina Martinez Burgos, uma fotógrafa de 38 anos, foi encontrada morta em circunstâncias estranhas em seu apartamento localizado no centro de Santiago. Albertina estava documentando a situação no Chile e participou ativamente como fotógrafa nas manifestações. Ele documentou a violência contra mulheres jornalistas e comunicadoras. Hoje exigimos que as causas de sua morte sejam esclarecidas, sem mencionar que nem o computador nem a câmera estavam em seu apartamento no momento em que foram encontrados sem vida. Não vamos esquecer o nome dela, não vamos esquecer o rosto dela.

Não é necessário adicionar muito a essas informações, porque a gravidade do caso é óbvia. As autoridades responsáveis ​​pela investigação (que são os mesmos policiais que Albertina estava investigando) falam de um “suposto” assassinato. Ela foi encontrada com várias facadas e o material fotográfico de sua investigação desapareceu … presume-se o assassinato! A forma fria com que definem o que aconteceu parece demonstrar culpa deles.