Realizar ou exceder a quantidade semanal recomendada de atividade física pode gerar riscos graves à saúde quando isso estiver associado à má qualidade do sono, sugere uma nova pesquisa. A equipe do estudo analisou dados de cerca de 400.000 adultos de meia-idade e descobriu que, ao longo de um período de 11 anos, aqueles com um sono ruim aliado a baixos níveis de atividade física, tinham um risco 57% maior de mortalidade por todas as causas, um risco 67% maior de morte de doença cardiovascular (DCV), um risco 45% maior de morte por qualquer tipo de câncer e um risco 91% maior de morte por câncer de pulmão em comparação com seus semelhantes que dormiam bem e praticavam altos níveis de atividade física.

 

O estudo descobriu que a atividade física amplificou os riscos de mortalidade prematura de pessoas com sono insatisfatório de forma sinérgica e, inversamente, quem atendia às recomendações de atividades físicas teve a maioria dos riscos de sono insatisfatório neutralizada, segundo os pesquisadores da Faculdade de Medicina e Saúde, da Universidade de Sydney, na Austrália. O estudo foi publicado on-line no British Journal of Sports Medicine.

Efeitos combinados

A atividade física e o sono são essenciais para uma boa saúde, mas, em nível geral, muitos indivíduos não obtêm os níveis necessários de nenhum dos dois, o que causa grande carga de doenças e compromete a qualidade de vida. Atividades físicas e sono afetam independentemente os resultados de saúde. Também é possível que influenciem as condições de saúde por meio de vias relacionadas. No entanto, os pesquisadores admitem saber muito pouco sobre os efeitos combinados desses dois aspectos-chave de nosso estilo de vida.

Para investigar possíveis “efeitos combinados”, os pesquisadores usaram dados de participantes do UK Biobank, coorte prospectiva de mais de 500.000 adultos que foram recrutados entre 2006 e 2010, bem como informações de mortalidade de conjuntos de dados nacionais. Os níveis semanais normais de atividade física dos participantes foram medidos em equivalente metabólico de minutos de tarefa (MET-min), que são aproximadamente equivalentes à quantidade de energia gasta por minuto de atividade física, de acordo com a equipe do estudo.

A atividade física foi categorizada como baixa (0 a <600 MET-min / sem), média (600 a <1200 MET-min / sem) ou alta (≥1200 MET-min / sem). Os pesquisadores também criaram uma categoria “sem atividade física moderada a vigorosa” (AFMV). A Organização Mundial da Saúde recomenda 150 minutos de atividade física moderada ou 75 minutos da versão vigorosa semanalmente.

Os pesquisadores criaram um “novo escore de sono saudável”, baseado em cinco características: cronótipo matinal, duração adequada do sono (7 – 8 horas/dia), geralmente sem insônia; não roncar; e nenhuma sonolência diurna frequente. Os participantes receberam uma pontuação de sono de 1 a 5, com ≥4 indicando “sono saudável”, 2 ou 3 indicando “sono intermediário” e ≤1 indicando “sono ruim”.

As covariáveis incluíram idade, sexo, índice de massa corporal (IMC), nível socioeconômico, ingestão de frutas e vegetais, comportamento sedentário, estado de saúde mental, tabagismo, trabalho, consumo de álcool e pontuação de atividade física ou sono.

Os participantes com histórico inicial de doenças cardiovasculares ou câncer foram excluídos. Os pesquisadores também excluíram pacientes que morreram de Covid-19. Os escolhidos foram acompanhados por uma média de 11,1 anos até maio de 2020 ou até a morte (todas as causas, DCV, doença cardíaca coronária, acidente vascular cerebral hemorrágico, acidente vascular cerebral isquêmico, câncer e câncer de pulmão).

Efeitos sinérgicos

Daqueles que preencheram os critérios de inclusão (n = 380.055; idade média [DP], 55,9 [8,1] anos; 45% homens; IMC médio, 26,9 [4,1]), 3% tiveram sono ruim, 42% tiveram sono intermediário e 56% tiveram um sono saudável. Mais da metade (59%) tinha altos níveis de atividade física; 16% não tinham atividade física de intensidade moderada à vigorosa; 10% tinham baixo nível; e 15% tinham média.

Os participantes que eram mais jovens, mulheres e mais magros, enfrentavam menos privação socioeconômica, consumiam mais vegetais e frutas, sentavam-se menos, não tinham problemas de saúde mental, nunca fumaram, estavam em empregos sem turnos, bebiam menos álcool e tinham mais atividade física, tenderam a ter índices de sono mais saudáveis, relataram os autores.

Sono insatisfatório foi associado a acidente vascular cerebral isquêmico e o sono intermediário à doença cardíaca congênita. Em comparação com os participantes que tinham um alto nível de atividade física, aqueles com níveis mais baixos correram um risco cada vez maior de mortalidade por todas as causas após o ajuste para variáveis de confusão.

Os participantes sem AFMV também estavam em maior risco para todas as outras condições, exceto para acidente vascular cerebral hemorrágico. Os participantes com a pior qualidade de sono, que também se exercitaram menos, estavam em maior risco de resultados adversos (exceto acidente vascular cerebral hemorrágico), em comparação com aqueles com alta atividade física e sono bom. As associações prejudiciais de sono insatisfatório com todas as causas e riscos de mortalidade por causas específicas são exacerbadas pela baixa atividade física, sugerindo prováveis efeitos sinérgicos, mencionaram os autores.

“Por ‘efeitos sinérgicos’, queremos dizer que a inatividade física ampliou os riscos para a saúde de quem tem um sono ruim de forma que o risco combinado de mortalidade por inatividade física e sono insatisfatório foi maior do que a soma dos riscos independentes de ter um insônia mais a inatividade física apenas”, afirmou o pesquisador Emmanuel Stamatakis, professor da Faculdade de Medicina e Saúde da Universidade de Sydney.

Para Stamatakis, ao adicionar a prescrição de atividade física a um plano de tratamento de distúrbios do sono, os médicos ajudarão os pacientes a desfrutar de uma infinidade de benefícios diretos à saúde de um estilo de vida ativo, a melhorar os padrões de sono e, como o novo estudo mostra, até mesmo atenuar alguns dos riscos à saúde decorrentes do sono insatisfatório. “Investir em atividade física é um investimento em que todos ganham, tanto médicos quanto pacientes”, finaliza o pesquisador.