08 de Janeiro de 2021 às 18:13  Por: Divulgação  Por: Pedro Vilas Boas

O presidente do PCdoB baiano, secretário estadual Davidson Magalhães, criticou a disputa pública entre lideranças de PP e PSD por causa da presidência da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA). Porém, o comunista defendeu a candidatura do seu partido, que tem Fabrício Falcão (PCdoB) como candidato.

“Se há um impasse tem que buscar um nome de consenso. A base é maioria na AL-BA, não tem por que brigar. […] Se os dois querem projeto para 2022, vão aceitar um candidato que não seja nem de um partido nem de outro. Acho que se o governador quer consenso, não vai escolher um dos dois”, disse, em entrevista ao BNews nesta sexta-feira (8).

Mais cedo, Davidson, em conjunto com a presidente do PSB na Bahia, deputada federal Lídice da Mata, defendeu consenso na disputa pela presidência da AL-BA e pediu que o governador Rui Costa (PT) conduzisse o processo.

“Buscar 2022 agora tá errado. Melhor forma de ter 2022 pavimentado é ter 2021 bom na AL-BA. Eu, pessoalmente, acho um absurdo a gente ter maioria na Casa e depender da oposição pra eleger alguém”, afirmou o presidente do PCdoB.

Situação insustentável

Na avaliação da deputada Lídice da Mata os partidos deveriam sentar para conversar e parar de trocar farpas publicamente na imprensa. Foi o que defendeu em entrevista ao BNews também nesta sexta.

“O que não podemos é continuar nessa situação. Está chegando a hora de afunilar, independente da possibilidade de apoio aqui ou ali. Não podemos ficar trocando mensagem por jornal, como tem acontecido nos últimos dias”, disse a presidente do PSB baiano.

Um acordo selado em 2018 definiu Nelson Leal (PP) como presidente em 2019-2020, enquanto o deputado Adolfo Menezes (PSD) assumiria o biênio 2021-2022. Porém, o PP decidiu não reconher o acordo e lançar Niltinho à presidência.

Além de Fabrício Falcão (PCdoB), surgiram como nomes alternativos Samuel Júnior (PDT) e Vítor Bonfim (PL).

Oposição

Conforme apuração do BNews, o cenário mudou e a bancada de oposição, hoje, tende a votar no candidato Niltinho, do PP, nome do vice-governador João Leão, presidente do partido na Bahia. Dois fatores contaram positivamente para Niltinho: o bom trânsito do parlamentar entre os pares e o pouco movimento de Adolfo Meneses (PSD), candidato do governador Rui Costa, na disputa eleitoral.

No tabuleiro político uma das peças que vem se movimentando como principal cabo eleitoral contra Menezes, é o atual presidente da AL-BA, Nelson Leal (PP) , que não buscará a reeleição, apesar de ter tentado (veja aqui), devido a recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que vetou reconduções à presidência da Câmara e Senado. Na semana passada, ele reuniu-se com 12 deputados de oposição para discutir o tema.